Cleise Mendes

cm

Cadeira 6

Patrono: Alexandre Rodrigues Ferreira

Fundador: Manoel Augusto Pirajá da Silva

2o. Titular: Thales Olímpio Góes de Azevedo

3o. Titular: D. Lucas Cardeal Moreira Neves

Titular atual: Cleise Mendes

Posse em: 15.04.2004

 


Eleita em 9 de outubro de 2003, tomou posse em 16 de abril de 2004, no salão nobre da atual sede, sendo saudada por Guido Guerra. Cleise Furtado Mendes nasceu no Rio de Janeiro, mas reside em Salvador desde 1966. É escritora, atriz e professora de Dramaturgia e Análise de Texto na Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia, desde 1975; tem publicado inúmeros contos e poemas, além de ensaios sobre literatura e teatro, embora se dedique principalmente à dramaturgia. É membro da Sociedade de Autores Teatrais – SBAT, e autora de 37 peças já encenadas, entre originais e adaptações. Possui graduação em Licenciatura em Letras pela Universidade Federal da Bahia (1972), graduação em Bacharelado em Estudos Literários pela Universidade Federal da Bahia (1974), mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (1985) e doutorado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (2001). Atualmente é Professor Associado II da Universidade Federal da Bahia, Membro da Academia da Academia de Letras da Bahia, Conselheiro do Conselho de Cultura do Estado da Bahia e Membro de corpo editorial do Repertório Teatro & Dança. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Teatro.

Discurso de Posse.
Discurso de Recepção.

Dramaturgia encenada nas últimas peças, roteiros e adaptações

  • Noivas – peça encenada em Portugal, pela Escola da Noite. Com estreia em Coimbra, 12/1/2005 e a seguir na Ilha da Madeira.
  • Marmelada – Uma comédia caseira. Leitura dramática no Ciclo de Leituras dramáticas da FSBA, no teatro ISBA, 16 de março de 2005. Com Fafá Menezes e Widoto Áquila, direção de George Mascarenhas.
  • Tradução de cinco peças de Beckett para o espetáculo Comédia do Fim. Direção Luiz Marfuz. Núcleo de Teatro do TCA. Sala do Coro. Nov./dez. 2003. jan/fev 2004.
  • As Feministas de Muzenza. Peça em coautoria com Haydil Linhares. Salvador: SESI, jan/fev/mar 2003.
  • Os Sertões – Uma viagem. Roteiro para vídeo com direção de Paulo Dourado. Lançamento 1o de dezembro de 2003, no Restaurante Grande Sertão. Patrocínio Bom Preço através do FAZCULTURA.
  • O Teatro Resiste. Direção Luiz Marfuz. Salvador: Teatro Castro Alves, abril/2004.
  • Cuidado! Mãos Trabalhando! e O Cruel Aprendiz. Poemas encenados e veiculados pela TV Salvador dentro do Projeto Mídia Poesia. Novembro/dezembro de 2002.
  • O Palhaço é o Filho do Sol. Direção Paulo Dourado. Salvador: Teatro Castro Alves, abril/2002.
  • Ensina-me a viver. Tradução e adaptação do original de Collin Higgins para espetáculo, sob a direção de José Possi Neto. Teatro Castro Alves, maio de 2001.
  • Alô, Brasil 2000! Quem te vê e quem te viu! Direção de Deolindo Checucci. Salvador: Teatro Castro Alves, abril de 2000.
  • Lábaro Estrelado. Direção de José Possi Neto. Salvador, Teatro Castro Alves, nov. 1999.
  • O processo ou O que vamos fazer com esta peça? Direção de Fernando Guerreiro. Salvador, Teatro Castro Alves, abril, 1999.
  • Eu, Brecht. Direção de Deolindo Checucci. Salvador: Teatro ICBA, out/nov 1998.
  • Um tal Quixote. Salvador, Teatro Vila Velha, ago/set 1998. O julgamento de Brecht. Direção de Luiz Marfuz. Salvador: Teatro Castro Alves, abril/1998.
  • Ocasos. Peça em um ato. Direção de Meran Vargens. Salvador, Teatro do SESI, ago/set 1997.
  • As Grandes Dionisíacas. Direção de Luiz Marfuz. Salvador: Teatro Castro Alves, abril/1997.
  • Salomé. Tradução e adaptação do original de Oscar Wilde. Direção de José Possi Neto. São Paulo, Teatro FAAP, 20 de fev a 20/mar de 1997 e, em seguida, em tournée nacional.
  • A Casa de Eros. Peça em quatro atos. Direção de José Possi Neto. Salvador, Teatro Martim Gonçalves, 12/set a 12 de nov. de 1996.
  • Castro Alves. Drama histórico em dois atos. Direção de Deolindo Checucci. Salvador: Teatro Castro Alves. Estreia 27/maio/1994. Temporada mai/jun de 1994.
  • Canudos – A Guerra sem fim. Drama épico-histórico em coautoria com Ana Pedreira Franco e Paulo Dourado. Direção de Paulo Dourado. Salvador: Concha Acústica do Teatro Castro Alves, 1993.

 

Publicações/organizados ou edições

  • O cruel aprendiz. 1. ed. Salvador: EPP, 2009. v. 1. 104 p
  • A gargalhada de Ulisses: a catarse na comédia. 1.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. v. 01. 235 p.
  • A Terceira Manhã. Salvador: Secult; Rio de Janeiro: Imago, 2004. v. 1., 120 p.
  • Castro Alves – Marmelada: uma comédia caseira – Noivas. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, 2003. v. 1. 243 p.
  • Lábaro Estrelado – Bocas do Inferno – O Bom Cabrito Berra. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, 2003. v. 1. 213 p. .
  • Senhora Dona Bahia: Poesia Satírica de Gregório de Matos. Salvador: EDUFBA, 1996. 279 p. (2º lugar dos Mais Vendidos segunda A Tarde Cultural de 8 de novembro de 1997).
  • As estratégias do drama. Salvador: Edufba, 1995. 84 p.
  • Castro Alves. Drama histórico em dois atos. Salvador: Escola de Teatro, UFBA, 1994. 88 p.
  • Ágora – Praça do Tempo. (Poemas) Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1979. 80 p.

 

Capítulos de livros publicados

  • Travestimentos: o que está em jogo. In: BOCCIA, Leonardo Vincenzo. (Org.). Interdisciplinaridade e cultura. Salvador: Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, 2009, v., p. 167-177.
  • Com a palavra o escritor. In: CLEISE FURTADO. (Org.). Com a palavra o escritor. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 2002.
  • A Força Cômica. In: BIÃO, Armindo; PEREIRA, Antônia; CAJAÍBA, Luís Cláudio; PITOMBO, Renata. (Org.). Temas em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade. São Paulo / Salvador: Annablume/GIPE-CIT, 2000, v., p. 177-188.
  • MENDES, C. F.; FRANCO, A.; DOURADO, P. A Conspiração dos Alfaiates. In: DOMINGUES, Carlos Vasconcelos; LEMOS, Cícero Bathomarco; YGLESIAS Edyala. (org.). Animai-vos, povo bahiense! A Conspiração dos Alfaiates. Salvador: Omar G. Editora, 1999, v. p. 128-157.
  • Um Tal de Dom Quixote. In: Márcio Meirelles. (org.). Um tal de Dom Quixote. Salvador: Teatro Vila Velha, 1998, v. , p. 5-25.
  • Poesia Amorosa. In: ALVES, Lizir Arcanjo. (Org.). Poesias de Castro Alves – Antologia Comentada. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo/EGBA, 1997, v. , p. 80-101.
  • O Corpo como Texto: Erotismo e Pornografia. In: RIBEIRO FILHO, Aurino. (Org.). Seminário Geral Interdisciplinar. Salvador: UFBA/Instituto de Física, 1995, v. , p. 71-91.
  • Apresentação Circumnavigare. In: RANGEL, Sônia Lúcia. (Org.). Circumnavigare. Salvador: FCEBA/Bigraf, 1995, v. , p. 6-11.
  • O Terceiro Ás. In: MENDES, Cleise; BARBOZA, Pedro. (org.). Novíssimos Contistas da Bahia. Salvador: UFBA, 1975, v. , p. 27-34.

Algumas premiações

  • Troféu Braskem de Teatro – Homenagem por conjunto de obra teatral – abril de 2005.
  • Troféu Dia Internacional da Mulher – 8/3/2002 – da RIN Produções – Patrocínio Coelba/ FAZCULTURA/ Governo da Bahia.
  • Troféu Catarina Paraguaçu – 1998.
  • Troféu Bahia Aplaude – Melhor ator de 1994. Peça Castro Alves.
  • Troféu Martim Gonçalves – Melhor Texto de 1981. Peça A Terceira Margem.
  • Troféu Martim Gonçalves – 1985 – Prêmio Especial pela direção da escola de Teatro da UFBA.
  • Prêmio de Melhor Conto para Equidade, Concurso de Contos da Revista Ficção, n. 10, Rio de Janeiro, 1976.
  • Pesquisador do CNPq – Bolsa de Produtividade em Pesquisa.
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s