Yeda Pessoa de Castro

ypc

Cadeira 11

Patrono: Francisco Gê Acaiaba de Montezuma, Visconde de Jequitinhonha

Fundador: Antônio Ferrão Muniz de Aragão

2o. Titular: Otávio Torres

3o. Titular: Oldegar Franco Vieira

Titular atual: Yeda Pessoa de Castro

Posse em: 10.04.2008


Eleita em 9 de junho de 2007, tomou posse em 10 de abril de 2008, no salão nobre da atual sede, sendo saudada por Consuelo Pondé de Sena.

Etnolinguista, Doutora (Ph.D) em Línguas Africanas pela Universidade Nacional do Zaire, República Democrática do Congo, Consultora Técnica em Línguas Africanas do Museu da Língua Portuguesa na Estação da Luz em São Paulo, Membro da Academia de Letras da Bahia e consultora técnica na Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) na Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Pertence ao GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, ao Comitê Científico Brasileiro do Projeto Rota do Escravo da UNESCO e ao Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do IPHAN em Línguas e Culturas Africanas. Condecorada pelo Itamaraty no Grau de Comendadora da Ordem do Rio Branco e com a Comenda Maria Quitéria pela Câmara de Vereadores da Cidade do Salvador por serviços prestados ao País na política de aproximação cultural Brasil-África de que foi pioneira, tendo sido o primeiro brasileiro a defender tese de pós-graduação em uma universidade africana e o único até agora em sua especialidade. Foi Professora Visitante em universidades da África e do Caribe, onde atuou também como Adida Cultural da Embaixada do Brasil em Trinidad-Tobago. Na Bahia, foi Diretora do Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA, fundou o Museu Afro-Brasileiro em Salvador. Professora Convidada de universidades na Alemanha desde 2000. É líder e fundadora do Grupo de Estudos Africanos e Afrobrasileiros em Línguas e Culturas (GEAALC) da Universidade do Estado da Bahia, hoje transformado em Núcleo (NGEALC) foi Professora Visitante do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade – PPGEDuC, lecionando línguas e culturas africanas. A importância das suas pesquisas, resultado de mais de trinta anos de investigação participante nos dois lados do Atlântico, mereceu reconhecimento internacional. Tem proferido conferências em congressos internacionais em vários países, a convite da ONU, da UNESCO e de instituições acadêmicas onde os estudos africanos são encarados com seriedade. Com vários trabalhos publicados sobre relações culturais e linguísticas Brasil-África, o conjunto de sua obra é considerado, em todas as partes, como uma renovação nos estudos afrobrasileiros por redescobrir a extensão da influência banto no Brasil e introduzir a participação de falantes africanos na formação do português brasileiro. Autora dos livros Falares Africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro (Academia Brasileira de Letras / Topbooks, 2001, 2.ed., 2005), aceito pela crítica como a obra mais completa já escrita sobre línguas africanas no Brasil, um livro que já se tornou um clássico na matéria, e A língua mina-jeje no Brasil: um falar africano em Ouro Preto do séc. XVIII (Fundação João Pinheiro, Secretaria de Cultura de Minas Gerais, 2002, Coleção Mineiriana), também pioneiro no estudo das linguasewe-fon no Brasil, além de inúmeros artigos e conferências, publicados em revistas científicas, anais de congressos, etc., no Brasil e no exterior.

Publicações

  • Falares Africanos na Bahia (um vocabulário Afro-Brasileiro). 2. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005, 366 p.
  • A língua mina-jeje no Brasil. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2002. v.1. 240 p.
  • Falares Africanos na Bahia (um vocabulário Afro-Brasileiro). Rio de Janeiro: Topbooks, 2001, 366 p
  • Contos Populares da Bahia: aspectos da obra de João Silva Campos. Salvador: Departamento de Assuntos Culturais da Prefeitura do Salvador, 1978, 50 p.

Capítulos de livros publicados

  • Linguagem com sabor de dendê In: Jorge Amado: 100 anos escrevendo o Brasil. 1.ed. Salvador: Casa de Palavras, 2013, p. 65-74.
  • Aspectos culturais e linguísticos de Africania no Caribe In: A herança africana no Brasil e no Caribe – The Africanheritage in Brazil and the Caribbeaned. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão – MRE, 2011, p. 89-102.
  • Aspectos culturais e linguísticos de africanias no Caribe In: A herança africana no Brasil e no Caribe. 1.ed. Brasília: Funag, 2011, v.01, p. 89-102.
  • Questões teóricas específicas In: Dicionários na teoria e na prática: como e para quem são feitos. 1.ed., São Paulo: Parábola Editorial, 2011, v.1, p. 58-61.
  • A língua de santo, marca de identidade etno-religiosa. In: De arte Grammatica. Festshriftfur Ebehard Gartnered. FrankfurtamMain: Valentia, 2010, p. 79-87.
  • A participação de falantes africanos no português brasileiro: aspectos sócio-históricos e linguísticos In: Interprenetração da língua e culturas de/em língua portuguesa na CPLP.1ª ed.Praia. Cabo Verde: Instituto IILP e AULP, 2010, p. 106-115.
  • O português do Brasil, uma intromissão nessa história. In: GALVES, Charlotte et alii. (org.). África-Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas: Unicamp Ltda., 2009, p. 175-184.
  • A propósito do que dizem os vissungos. In: SAMPAIO, Neide Freitas Sampaio. (Org.). Vissungos: contos afrodescendentes em Minas Gerais. Belo Horizonte: Edições Viva Voz, 2009, p. 67-72.
  • A participação de falantes africanos na história do português do Brasil. In: GÄRTNER, Eberhard; SCHÖNBERGER, Axel. (org.). Estudos sobre o português brasileiro. Frankfurt: Valentia, 2009, v. 8, p. 85-98.
  • Towards a Comparative Approach of Bantuisms in Iberoamerica. In: PHAF-RHEINBERGER, Ineke; PINTO, Tiago de Oliveira. (Org.). ­AfricAmericas: Itineraries, Dialogues, and Sounds. Madrid / Frankfurt am Main: Iberoamericana-Vervuert, 2008, v. 119, p. 81-92.
  • Repensando a Língua Portuguesa. In: SOUZA, Rosana de. (Org.). Orientações Curriculares – Expectativas de Aprendizagem para a Educação Étnico-Racial. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008, v. 01, p. 265-269.
  • Dimensão dos aportes africanos no Brasil. In: BACELAR, Jeferson, PEREIRA, Cláudio. (Org.). Vivaldo da Costa Lima, intérprete afro-brasileiro. 194 ed. Salvador: EDUFBA, 2007, p. 177
  • O português e as línguas africanas no Brasil colonial. In: SCHRADER- KNIFFKI, Martina / MORGENTHALER, Laura García. (Org.). Romaniaeninteracción: entre historia, contacto y política. Ensayos em homenaje a Klaus Zimmermann. Frankfurt/ Madrid: Vervuert/ Ibero-americana, 2007, p. 361-379.
  • Agostinho da Silva e trinta anos de relacionamento linguístico Brasil-África. In: DAVI, Amon Pinho; EPIFÂNIO, Renato; PINHO, Romana Valente. (Org.). In: Memoriam de Agostinho da Silva: 100 anos, 150 nomes. Lisboa: Associação Agostinho da Silva, 2006, p. 447-457.
  • Uma língua africana documentada no Brasil do século XVIII. In: THIELEMANN, Werner. (Org.). Século das luzes. Frankfurt amMain: Biblioteca Luso-Brasileira, 2006, v. p. 371-384.
  • Redescobrindo as línguas africanas. In: CHAVES, Rita, SECCO, Carmen, MACEDO, Tânia. (Org.). Luanda: Chá de Caxinde. São Paulo: UNESP, 2006, p. 361-376.
  • A influência das línguas africanas no português brasileiro. In: Secretaria Municipal de Educação – Prefeitura da Cidade do Salv. (Org.). Pasta de textos da professora e do professor. Salvador: Secretaria Municipal de Educação, 2005, v. , p. –.
  • A diversidade das línguas africanas e atitudes linguísticas no relacionamento Brasil-África. In: MENEZES, Jaci Maria Ferraz de et alii. (org.). Relações do Atlântico Sul: História e Contemporaneidade. Salvador: Editora UNEB, 2003, p. 35-38.
  • Redescobrindo as línguas africanas. In: CHAVES, Rita et alii. (org.). Brasil/África: como se o mar fosse mentira. Maputo: Imprensa Universitária – Universidade Eduardo Mondlane, 2003, p. 359-374.
  • Colaboração à Antropologia Lingüística nos estudos afro-brasileiros. In: MARTINS, Cléo; LODI, Raul. (org.). Faraimara: O caçador traz a alegria. Rio de Janeiro: Pallas, 2000, p. 81-97.
  • A dignidade restaurada de Exú ou o encanto do contador das histórias. In: ROLLEMBERG, Vera. (org.). Jorge Amado: um grapiúna no País do Carnaval. Salvador: Edufba, 2000, p. 311-315.
  • Oxum. In: SANTOS, Francisco. (Org.). África Bahia. Salvador: Francisco Santos, 2000, p. 85-88.
  • O ensino de Línguas Africanas no Brasil. In: LIMA, Ivan Costa Lima et alii. (org.). Os negros, os conteúdos escolares e a diversidade cultural. Florianópolis: Núcleo de Estudos Negros – NEN, 1998, p. 29-38.
  • Poyeccíon histórica y perspectivas de lapoblacíon negra en Bahia, Brasil. In: MONTIEL, Luz Maria Martinez Montiel. (org.). Presencia Africana enSudamérica. México, DF: Consejo Nacional para la Cultura y las Artes, 1995, v. , p. 333-387.
  • Também mulher, imagem de Deus. In: QUINTAS, Fátima. (org.). Mulher negra: preconceito, sexualidade e imaginário. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1994, p. 85-89.
  • Os falares africanos na interação social do Brasil-Colônia.. In: MELLO, Linalda de Arruda. (org.). Sociedade, cultura e língua. João Pessoa: Shorin., 1990, p. 91-113.

Trabalhos completos publicados em anais de congressos

  • Marcas lexicais africanas: fator de identidade etno-religiosa em contextos afro-brasileiros In: III Encontro de Professores de Literaturas Africanas, – Pensando África, 2008, Rio de Janeiro.
  • Do dito ao escrito: A tradição do saber das Ialorixás. In: 2º Encontro de Leitura e Literatura da UNEB, 2007, Salvador. 2º Encontro de Leitura e Literatura da UNEB: entre discursos, práticas e mediações em espaços de leitura e literatura. Salvador: Quarteto, 2007.
  • Agostinho da Silva e o relacionamento linguístico Brasil-África. Agostinho da Silva e o Pensamento Luso-Brasileiro, 2006, Lisboa. Agostinho da Silva e o Pensamento Luso-Brasileiro. Lisboa: Associação Agostinho da Silva, Âncora Editora, 2004. v. 01. p. 331-338.
  • A herança Bantu e suas recriações. VI Congreso da ALADAAD, 1998, Brasília. Crises e Reconstruções. Brasília: LGE, 1998. p. 40-46.
  • Também Mulher, Imagem de Deus. In: IV Congresso Afro-Brasileiro, 1994, Recife. Mulher negra: preconceito, sexualidade e imaginário. Recife: Massangana, 1994. p. 85-89.
  • CASTRO, Yeda Pessoa ou PESSOA DE CASTRO, Yeda; VOGT, Carlos; FRY, Peter. O Afro-Negro e a Língua do Brasil. In: III Congresso Afro-Brasileiro, 1985, Recife. Os Afro-Brasileiros. Recife: Massangana, 1985. p. 72-81.
  • The African Culture in the Americas: Introduction to Joint Research on the Locations of Loan-Words. In: 2nd World Black and African Festival of Arts and Culture, 1977, Lagos. Black Civilization and African Languages, 1977. p. 1-40.

Prefácio, posfácio

  • A influência Africana no português do Brasil. In: MENDONÇA, Renato. FUNAG, Brasília, 2012.
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s