Guilherme Radel

GuilhermeRadel

Cadeira 3

Patrono: Manuel Botelho de Almeida
Fundador: Arthur Gonçales de Sales
2o. Titular: Eloywaldo Chagas de Oliveira
3o. Titular:  Anna Amélia Vieira Nascimento
Titular Atual: Guilherme Radel

 


 

GUILHERME REQUIÃO RADEL nasceu em 7 de fevereiro de 1930, em Itapagipe, Salvador, casado, pai de cinco filhos e avô de seis netos, fez o seu curso primário no Grupo Escolar Rio Branco, o ginasial no Instituto Normal da Bahia, o colegial no Colégio Estadual da Bahia e o superior na Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, onde se formou engenheiro civil e engenheiro eletricista. Radel exerce atividades múltiplas na vida como escritor, engenheiro, professor, empresário e pecuarista.

Como escritor, publicou os livros A cozinha sertaneja da Bahia, (1ª edição e 2ª edição), A cozinha praiana da Bahia (1ª edição e 2ª edição), que, juntamente com A cozinha africana da Bahia,(1ª edição e 2ª edição), realizam um painel geral da cozinha baiana, abordando de forma leve, mas com profundidade, tópicos históricos, sociológicos, etnológicos, econômicos, ecológicos e científicos.

Escreveu Cuba libre, impressões sobre viagem realizada a Cuba, fornecendo dados históricos, sucessos e insucessos da revolução cubana, formando uma compreensão do ambiente político-social que reina na ilha, analisando as consequências da indefinição de seu futuro. Escreveu Aprendiz de fazendeiro, verdadeiro guia de pecuária, dando ênfase aos ensinamentos dirigidos a pequenos produtores que se dedicam à caprino-ovinocultura. Na área técnica, escreveu obras como A obra pública ou um dos diálogos que Platão não escreveu, que se tornou um clássico entre as publicações técnicas, com 13 edições, e Construções de pequenas barragens, Modelo agropecuário resistentes às secas, O búster e a sua aplicação, Posicionamento da E.T.A. Em sistemas de abastecimento de água. A partida, drama em dois atos, é o produto de sua incursão no teatro. É membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. É romancista, publicou o livro A longa Viagem, poeta e cronista. Como memorialista, relatou Mamãe e eu no paraíso e 80 casos vividos. Em 2014, serão publicados os livros A doçaria da Bahia, de sua autoria, e Água de Beber Camará, de sua autoria conjuntamente com Caiuby Alves da Costa e Antônio Eduardo de Araújo Lima.

Anúncios

Gerana Damulakis

sessao_eleicao_gerana_damulakis_6

Cadeira 29

Patrono: Agrário de Souza Menezes

Fundador: Antônio Alexandre Borges dos Reis

2o. Titular: Manços Chastinet Contreiras

3o. Titular: Colombo Moreira Spínola

4o. Titular: Jorge Farias Góes

5o. Titular: Hélio Pólvora

Titular atual:  Gerana Damulakis

Posse em: 03.09.2015

Foi colaboradora do suplemento Cultural do jornal A Tarde a partir de 1993 e por mais de 10 anos. Assinou a coluna semanal Leitura Crítica no Caderno 2 do jornal A Tarde, de 1998 até 2002 e a coluna semanal Olho Crítico no jornal Tribuna da Bahia durante o ano de 2007. Assinou a página Livros da revista Neon, de 1999 até 2004. Assinou a página Cultural da revista Cenesp nos anos de 2001 e 2002.

Criou, com Hélio Pólvora, a Editora Mythos, quando editaram os títulos: Atelier de Poesia (1995), do poeta Daniel Cruz e Três Histórias de Caça e Pesca (1996), de Hélio Pólvora.

Integrou a comissão editorial Selo Letras da Bahia, da Fundação Cultural do Estado da Bahia, durante 8 anos até o término do selo.

Publicações

Guardador de Mitos. Salvador: Edição do Autor, 1993.

Sosígenes Costa – o poeta grego da Bahia. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia; Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1996. Selo As Letras da Bahia.

O Rio e a Ponte – À Margem de Leituras Escolhidas. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, Fundação Cultural, EGBA, 1999. Coleção Selo Editorial Letras da Bahia, v. 48.

Antologia Panorâmica do Conto Baiano: Século XX/ Organização e introdução. Ilhéus, Ba: Editus, 2004.

Conversas com Hélio Pólvora. Salvador: Quarteto, 2016.

Publicações com outros autores

O Mar na Prosa de Ficção: ensaios. Ilhéus: Fundação Cultural/ Editus, 1999.

Brasil: 500 Anos Encontros na Bahia. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, 2000.

A Sosígenes com Afeto. Salvador: Edições Cidade da Bahia; Fundação Gregório de Mattos, 2001.

O Triunfo de Sosígenes Costa. Ilhéus, Ba: Editus/UEFS-Ed., 2004.

Participações em antologias

Poetas Brasileiros de Hoje. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1982.

Poetas Brasileiros de Hoje 83. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1983.

Poetas Brasileiros de Hoje 1984. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1984.

Poetas Brasileiros de Hoje 1985. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1985.

Poetas Brasileiros de Hoje. Rio de Janeiro: Shogun editora e Arte, 1986.

Poetas Brasileiros de Hoje 1991. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1991.

A Nova Poesia Brasileira. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, v. IX, 1983.

Escritores Brasileiros. Rio de Janeiro: Crisalis Editora, 1984.

Escritores Brasileiros. Rio de Janeiro: Crisalis Editora, 1985.

Escritores Brasileiros 1985. Rio de Janeiro: Crisalis Editora, v. II, 1985.

Antologia Poética de Cidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1985.

Antologia Poética de Cidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1992.

A Nova Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1983.

Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Shogun Editora e Arte, 1984.

Novas Vozes. Salvador: Editora Arembepe, 1992.

Publicações em Revistas

Revista do Escritor Brasileiro. Brasília: Editora Códice, nº 7,1994; nº 9, 1995.

Revista da Literatura Brasileira. São Paulo, nº 24, 2001; nº 30, 2001.

QVINTO e IMPÉRIO – Revista de Cultura Literaturas de Língua Portuguesa/ Gabinete Português de Leitura – Centro de Estudos Portugueses – Casa Fernando Pessoa. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, nº 5, 1995; nº 8, 1997; nº 9, 1997; nº 12, 2000; nº 15, 2001.

Revista Iararana. Salvador: EPP Publicações e Publicidade. nº1, nº 2, nº 4, nº5, nº 6, nº 7, nº 8, nº 13.

Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador: Academia de Letras da Bahia, nº 45, 2002; nº 52, 2014.

Prêmios

Prêmio País do Carnaval, Concurso 80 anos de Jorge Amado, em 1992, Jequié, com o conto “Fascinação”.

Medalha de Prata no Concurso Nacional de Poesias de Minas Gerais, Edições Minas Gerais, com o poema “Epifania Profana”, 1994.