Keats e a posse de João Ubaldo

Jornal A Tarde 30/11/2012

Jornal A Tarde 30/11/2012

Anúncios

A Academia de Letras da Bahia e a Eletrogoes premiarão o historiador e escritor, Waldir Freitas Oliveira, com o Prêmio pelo Conjunto da Obra

Waldir Freitas Oliveira

Waldir Freitas Oliveira

Professor Waldir Freitas Oliveira nasceu em 17 de fevereiro de 1929, em Salvador, formou-se em Direito, Geografia e História. Desde 1986 ocupa a Cadeira 18 da Academia de Letras da Bahia.

Como parte da homenagem, no período de 12 a 16 de dezembro, haverá exposição de fotos, recortes de jornal, discursos e livros do acadêmico, nos salões da Academia de Letras da Bahia.

Algumas das obras publicadas por Waldir Freitas Oliveira, disponíveis na Biblioteca dos Acadêmicos da ALB são: A importância atual do Atlântico Sul. Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia, 1961, Antônio de Lacerda, Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura Municipal do Salvador, 1974, Empresa Gráfica da Bahia – 70 anos, Salvador, Empresa Gráfica da Bahia, 1985, A História de um Banco – O Banco Econômico, Salvador, Museu Eugênio Teixeira Leal/Memorial do Banco Econômico, 1993, A crise da economia Açucareira do Recôncavo na segunda metade do século XIX, Salvador, Fundação Casa de Jorge Amado; Centro de Estudos Baianos, Universidade Federal da Bahia, 1999, Antônio de Lacerda (1834-1885) e Registros e Documentos sobre sua vida e obra. Salvador: Fundação Gregório de Mattos, 2002, Aloysio de Carvalho Filho. Pensamento e ação de um liberal democrata. Salvador: Instituto Advogado Gonçalo Porto de Souza, 2007 e Colégio Antônio Vieira: vidas e histórias de uma missão jesuíta, dentre outras.

Barbara Coelho

CONTATOS:
(71) 3321-4308 (Academia de Letras da Bahia)
http://www.academiadeletrasdabahia.org.br/

SERVIÇO:
Quando 13/12/12, as 17:00h.
Onde Auditório da Academia de Letras da Bahia.
Endereço Avenida Joana Angélica, 198 – Nazaré – Salvador – BA.
Quanto gratuito

O poder erótico – Lançamento do novo livro de Gloria Kaiser

Gloria Kaiser, austríaca, historiadora, escritora, membro correspondente da Academia de Letras da Bahia, sócia correspondente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e do Instituto Genealógico da Bahia.

Lançamento do livro “O Poder Erótico” – Diário e cartas de Cristina Vasa, Rainha da Suécia e do Padre Antonio Vieira

Academia de Letras da Bahia
27 de novembro de 2012, terca-feira, às 18h

poderero

Um livro para uma cidade

Em algumas cidades, como por exemplo em Chicago e em Berlim existe uma iniciativa chamada „Uma cidade lê um livro“. Para que um livro seja merecedor deste título de honra, é necessário que atenda a dois requisitos:

O tema principal do livro tem de girar em torno da respectiva cidade, o herói ou o personagem principal precisa ter uma conexação com a cidade, e o mais importante: o autor do livro tem de ser de fora da cidade. O que se pretende é que alguém com o olhar de fora conte sobre as pessoas, a cultura e a história de uma cidade em particular.

No meu livro „O Poder Erótico“ todos estes requisitos encontram-se atendidos. Meu livro trata do Padre Antonio Vieira e do ano de 1689. Nesta época Antonio Vieira tinha 81 anos de idade e vivia em Salvador, na Quinta do Tanque. Estava trabalhando nos seus famosos sermões e vivia recordando – no meu texto – os cinco anos que passou em Roma (1669-1675), assim como a sua amizade com Cristina da Suécia.

Uma amizade que uniu dois seres iluminados da história. A esta amizade devemos uma vasta correspondência, que com certeza contém algum grau de colorido erótico – o quanto, isto fica por conta da interpretação do leitor.

Quanto a mim, esta obra representa um momento muito importante da minha vida profissional como pesquisadora histórica, como escritora.

Neste livro eu finalmente dei vazão ao meu amor pelo Brasil, ao meu amor por Salvador.

Amor

Esta palavra contém um universo inteiro. Filósofos de todos os séculos tentaram explorar este universo, e o mistério continua.

O amor – talvez possamos definí-lo assim – o amor é a inclinação afetuosa que sentimos por uma pessoa ou por um lugar; é sentir do fundo do coração a necessidade de querer fazer o bem, mas acima de tudo o amor não tem explicação.

Em janeiro de 1988 eu vim ao Brasil pela primeira vez. Foi por ocasião de uma viagem de turismo que passou pelo Rio de Janeiro, por Manaus, São Paulo e Brasília, que eu vim a Salvador pela primeira vez.

E apesar de ter visto e vivenciado Salvador pela primeira vez naquela oportunidade, tanto a cidade quanto as pessoas me foram muito familiares. O horizonte da minha alma se expandiu, que privilégio enorme!

A minha afeição por Salvador logo foi correspondida, pois não demorei a ficar conhecendo muitas pessoas a quem tenho a honra de poder chamar de amigos. E além disso, o céu me mandou de presente um conselheiro espiritual, um interlocutor muito especial – o Padre Antonio Vieira.

Ao começar a pesquisar sobre Antonio Vieira eu iniciei um diálogo com ele. E trata-se de um diálogo sem fim, já que toda uma vida não é suficiente para ler, interpretar, decodificar e quem sabe entender toda a sua obra.

Antonio Vieira é uma pessoa fascinante.

Ele é um mestre – „As palavras precisam ser como as estrelas, claras, compreensíveis e sublimes“. Ao ler os seus escritos nós conseguimos perceber a autoridade do espírito, o qual, no entanto, jamais é autoritário, pois compreende todas as fraquezas e os desvios humanos. Nos seus escritos nós encontramos respostas, aconselhamento, retificação e consolo – „Derramar lágrimas é comungar com Deus“ – „não avaliei bem a força que a saudade tem, ela é um elemento vital na alma lusitana“ – „pelo menos uma vez por dia nós deveríamos nos obrigar a lembrar a nós mesmo, a nos policiar: nisso aqui eu estou errando, ali estou agindo de forma injusta, acolá estou sendo desleixado“.

Salvador, as pessoas, a sua história e a sua cultura abriram janelas da minha alma, que caso contrário provavelmente teriam permanecido fechadas. É por isso que agradecida, repleta de admiração e de estima dedico o livro „O Poder Erótico“ à cidade de Salvador.