Academia de Letras da Bahia anuncia agenda para 2014

* Artigo publicado no Portal A TARDE.

 

Arquivo | Instituto Antonio Carlos Jobim

Dorival Caymmi será homenageado pela ALB

Presidente da instituição, o escritor e acadêmico Aramis Ribeiro Costa afirma que considera importantíssima a iniciativa de fazer as reedições dos livros, dentro da Coleção Mestres da Literatura Baiana, numa parceria da ALB com a Assembleia Legislativa.

“Dando prosseguimento à coleção, vamos lançar Histórias da Gente Baiana, de Vasconcelos Maia, e  três romances de Wilson Lins: Os Cabras do Coronel,  O Reduto e Remanso da Valentia. Os lançamentos acontecem ainda no primeiro semestre”, Aramis afirma.

Cursos

Dentre os eventos que estão programados para este ano na Academia de Letras da Bahia, estão a continuação dos cursos Jorge Amado e Castro Alves. O primeiro ligado ao Colóquio de Literatura Brasileira, e o segundo, ao Colóquio de Literatura Baiana.

 O Curso Jorge Amado foi realizado no ano passado em parceria com a Fundação Jorge Amado e em função do centenário do escritor. Devido ao sucesso do evento e da relevância do homenageado, ele acontecerá outra vez este ano.

O centenário de  Dorival Caymmi, que acontece neste ano, também deve ser comemorado na ALB, Aramis confirma, mas estão por vir mais informações ainda.  Neste ano, continua também os Seminários Arte e Pensamento, que reúne acadêmicos, professores e escritores para discutir temas relevantes da contemporaneidade.

Prêmio

Outro acontecimento que tem movimento na ALB neste início de ano é a abertura das inscrições do Prêmio Nacional Academia de Letras da Bahia.

Em 2014, o prêmio ganhou novos ares devido à dupla de patrocinadores angariados para esta edição: a Petrobras e a Braskem.  Por conta disto, a premiação  este ano é dupla, e o vencedor leva R$ 20 mil, além da edição do livro numa editora de circulação nacional.

As inscrições estão abertas até o dia 24 de maio e o gênero escolhido para o prêmio deste ano é poesia. O regulamento e outras informações sobre as inscrições estão no site da Academia de Letras da Bahia: www.academiadeletrasdabahia.org. br.

Fonte: Portal A TARDE

Acadêmica Anna Amélia Vieira Nascimento morre aos 83 anos de idade

A Academia de Letras da Bahia lamenta a morte da acadêmica Anna Amélia Vieira Nascimento. Historiadora e ex-diretora do Arquivo Público do Estado da Bahia. Anna Amélia ocupava a cadeira nº 3 que tem como patrono Manuel Botelho de Oliveira. Filha de José Manso Cabral e de D. Anna Mariani Bittencourt Cabral, Anna Amélia nasceu em Salvador a 4 de maio de 1930, sendo eleita para a Academia em 21 de agosto de 1991 onde tomou posse em 26 de março de 1992.

Licenciada em História e Geografia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, fez o Mestrado em História na Universidade de Amiens – França. Em 1978 fez curso na École de Hautes Études em Sciences Sociales para obtenção do Doutoramento, tendo como assunto da tese Le couvent de Sain Claire au Desert (Bahia) Etudes Sociales.

Dentre suas atividades destacam-se as de Professora Adjunta de História do Brasil I, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UFBA, de 1955-1958 e de Diretora do Arquivo Público do Estado da Bahia em três períodos durante os governos de Antonio Carlos Magalhães e de João Durval Carneiro.

É autora das seguintes publicações: O Convento do Desterro da Bahia (Salvador: Indústria e Comunicação Ltda., 1973); Letras de Risco e Carregações no Comércio Colonial da Bahia (Salvador: Centro de Estudos Baianos da Universidade Federal da Bahia, 1977); A Quinta do Tanque – um monumento a serviço da cultura da Bahia (Salvador: Gráfica Central, 1980); As dez Freguesias da Cidade do Salvador: um estudo social e urbano do século XIX (Salvador: Empresa Gráfica da Bahia/Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1987) e Postura Escravocrata no Convento de Religiosas (Salvador: Centro de Estudos Baianos da Universidade Federal da Bahia, 1990).

Anna Amélia Vieira Nascimento morreu de causas naturais na manhã de 22 de janeiro de 2014, tendo o corpo cremado, neste mesmo dia, no cemitério Jardim da Saudade.

Paulo Costa Lima é o mais novo membro da Academia Brasileira de Música

pauloCostaLimaO compositor Paulo Costa Lima, educador e membro da Academia de Letras da Bahia vai ocupar a cadeira de número 21 da Academia Brasileira de Música, que pertenceu ao jornalista e crítico musical Luiz Paulo Horta e teve como fundador o compositor Paulo Santoro. A data de posse do  Acadêmico eleito ainda não foi definida e será na sede da ABM,  no Rio de Janeiro.

A respeito do significado do ingresso na Academia Brasileira de Música, Paulo Costa Lima demonstrou satisfação. “A Academia é um lugar de referência para todos nós da música erudita. É uma casa de excelência para regentes e musicólogos, mas também com ênfase na composição. O ingresso é um reconhecimento do meu currículo e das minhas atividades”, aponta o acadêmico.

O compositor Paulo Costa Lima é baiano e iniciou os estudos de música em 1969, na Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Graduou-se em Composição pela University of Illinois at Champaign-Urbana (USA), em 1977. É Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (1998) e em Artes pela Universidade de São Paulo (2000). Leciona Composição e Teoria da Música no nível de graduação e pós-graduação da Escola de Música, onde atua como professor desde 1979.

Academia Brasileira de Música – Com sede no Rio de Janeiro, a Academia foi fundada em julho de 1945, seguindo o modelo da instituição francesa, pelo maestro Heitor Villa-Lobos. Atualmente 40 cadeiras compõem a ABM que escolhe seus membros através de eleições por proposição, em que os candidatos apresentam uma carta de intenção e o currículo.

Marília Marques