Antropólogo Ordep Serra é o mais novo membro da ALB

ordepO antropólogo e escritor Ordep José Trindade Serra é o mais novo ocupante da cadeira de nº 27 da Academia de Letras da Bahia. Eleito na quinta-feira (22), em sessão ordinária de eleição conduzida pelo presidente da ALB, Aramis Ribeiro Costa, Ordep Serra foi escolhido para ocupar a cadeira de James Amado, falecido em dezembro de 2013 e que tem como patrono Francisco Rodrigues da Silva.

Graduado em Letras pela UNB, Mestre e Doutor em Antropologia, o mais novo acadêmico Ordep Serra atua como professor em programas de pós-graduação da Universidade Federal da Bahia e é membro da Associação Brasileira de Antropologia e da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia.

Dentre as suas principais produções destacam-se pesquisas nas áreas de Antropologia da Religião, Antropologia das Sociedades Clássicas, Etnobotânica e Teoria Antropológica. Ordep Serra atuou também como tradutor de textos científicos e literários e, como ficcionista, venceu o Prêmio Braskem / Academia de Letras da Bahia, com o livro de contos Sete Portas (2008), e o Braskem / Academia de Letras da Bahia, Romance Africano, com Ronda: Oratório Malungo, Ficções de Olufihan (2010).

A posse será no dia 4 de setembro com discurso de recepção do acadêmico Luiz Antonio Cajazeira Ramos.

Anúncios

Revista da ALB chega à 52ª edição

A Academia de Letras da Bahia realizou, no dia oito de maio, o lançamento do 52º número da sua Revista Anual de Literatura, Artes e Ideias. No evento, que contou com a presença do secretário de Cultura Albino Rubim, representando o governador do estado, o presidente da Academia, escritor Aramis Ribeiro Costa, destacou a longevidade dessa publicação cujo primeiro número foi editado em 1930, treze anos após a fundação da própria Academia, quando era então presidente o historiador Braz do Amaral. Hoje, lembra Aramis, o primeiro número da revista é considerado uma raridade para a própria ALB, e a coleção completa vale uma pequena fortuna.
Num estado que já contou com revistas literárias de grande importância, como Mapa, Ângulos, Revista da Bahia, Caderno da Bahia, Exu e Iararana, entre outras, a revista da ALB consegue o feito inédito de chegar à sua quinquagésima segunda edição com a perspectiva de continuidade, tornando-se o único espaço editorial impresso, na Bahia, em que ficcionistas, poetas e ensaístas ainda podem publicar seus trabalhos. Nos últimos anos o desaparecimento das publicações deste gênero e dos suplementos literários dos jornais deixou uma enorme lacuna que a Academia, pelo menos em parte, busca preencher.

Aramis destacou o apoio do governo do estado, através da Secretaria da Cultura, e a excelência do corpo editorial da revista, composto pelos acadêmicos Florisvaldo Mattos (direção), Aleilton Fonseca (produção editorial) e Luis Antonio Cajazeira Ramos (revisão e normalização), bem como do conselho editorial composto por Fernando da Rocha Peres, Myriam Fraga e Ruy Espinheira Filho.

Foi também ressaltada a excelente qualidade dos trabalhos (artigos, ensaios, contos, poemas e discursos) publicados neste número que conta com os seguintes colaboradores: Aramis Ribeiro Costa, Evelina Hoisel, Waldir Freitas Oliveira, Ordep Serra, Gloria Kaiser, Urania Tourinho Peres, Paulo Costa Lima, Paulo Ormindo de Azevedo, Carlos Ribeiro, Gerana Damulakis, Florisvaldo Mattos, Paulo Fábio Dantas Neto, João Eurico Matta, Joaci Góes, Edivaldo M. Boaventura, João Carlos Teixeira Gomes, Ruy Espinheira Filho, Clóvis Lima, Dominique Stoenesco, Jean-Albert Guénégan, Jean-Claude Tardif, Olivier Cousin, Hélio Pólvora, Rinaldo de Fernandes, Cyro de Mattos, Carlos Barbosa, Gláucia Lemos, Luiz Antonio Cajazeira Ramos, Mãe Stella de Oxossi, Consuelo Pondé de Sena, Moniz Bandeira, Ubiratan Castro, Geraldo Machado e Aleilton Fonseca.
A revista pode ser acessada, na íntegra, na seção Revistas deste site https://academiadeletrasdabahia.wordpress.com/revistas/.