Abertura do ano acadêmico e posse da nova diretoria são transferidas para o dia 9 de abril

luto_helio_polvora_m

A Academia de Letras da Bahia comunica o falecimento, na madrugada desta quinta-feira, 26 de março, do eminente escritor e crítico literário Hélio Pólvora, ocupante da Cadeira nº 29.

A ALB decretou luto de três dias pela morte do escritor e comunica a suspensão do evento de abertura do ano acadêmico, posse da nova diretoria, Apresentação do relatório da gestão  2013/2015 e lançamento da Revista da Academia de Letras da Bahia nº 53 que aconteceria nesta quinta-feira, às 18 horas e que só será realizado no dia 9 de abril de 2015, no mesmo horário.

Natural de Itabuna, sul da Bahia, onde nasceu em 1928,  Hélio é autor de 26 títulos de obras de ficção e crítica literária além de uma atividade jornalística intensa. É considerado um dos mais importantes contistas brasileiros do século 20, com destaque para obras consagradas pela crítica e pelo público, a exemplo dos livros Os galos da aurora (1958), Estranhos e assustados (1966) e Mar de Azov (1986).
Doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Santa Cruz, atuou como editor (Edições Antares, Rio de Janeiro), crítico literário do Jornal do Brasil, Veja e Correio Braziliense, cronista e crítico de cinema do Jornal do Brasil, Shopping News e outros jornais e revistas. Fundador e editor do jornal Cacau-Letras, foi também cronista do jornal A Tarde onde publicava um artigo semanal, na página de opinião, aos domingos.

Conquistou prêmios literários de nomeada, entre os quais os da Bienal Nestlé de Literatura, anos 1982 e 1986, para contos (1.º lugar), e mais os prêmios da Fundação Castro Maya, para o livro Estranhos e Assustados, e Jornal do Commercio, para Os Galos da Aurora. Assina cerca de oitenta traduções de livros de ficção (romances e contos) e ensaios.

Postado em ALB

ALB decreta luto de três dias pelo falecimento do escritor e acadêmico Hélio Pólvora

A Academia de Letras da Bahia comunica o falecimento, na madrugada desta quinta-feira, 26 de março, do eminente escritor e crítico literário Hélio Pólvora, ocupante da Cadeira nº 29.

A ALB decretou luto de três dias pela morte do escritor e comunica a suspensão do evento de abertura do ano acadêmico, posse da nova diretoria, Apresentação do relatório da gestão  2013/2015 e lançamento da Revista da Academia de Letras da Bahia nº 53 que aconteceria nesta quinta-feira, às 18 horas e que só será realizado no dia 9 de abril de 2015, no mesmo horário.

Natural de Itabuna, sul da Bahia, onde nasceu em 1928,  Hélio é autor de 26 títulos de obras de ficção e crítica literária além de uma atividade jornalística intensa. É considerado um dos mais importantes contistas brasileiros do século 20, com destaque para obras consagradas pela crítica e pelo público, a exemplo dos livros Os galos da aurora (1958), Estranhos e assustados (1966) e Mar de Azov (1986).
Doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Santa Cruz, atuou como editor (Edições Antares, Rio de Janeiro), crítico literário do Jornal do Brasil, Veja e Correio Braziliense, cronista e crítico de cinema do Jornal do Brasil, Shopping News e outros jornais e revistas. Fundador e editor do jornal Cacau-Letras, foi também cronista do jornal A Tarde onde publicava um artigo semanal, na página de opinião, aos domingos.

Conquistou prêmios literários de nomeada, entre os quais os da Bienal Nestlé de Literatura, anos 1982 e 1986, para contos (1.º lugar), e mais os prêmios da Fundação Castro Maya, para o livro Estranhos e Assustados, e Jornal do Commercio, para Os Galos da Aurora. Assina cerca de oitenta traduções de livros de ficção (romances e contos) e ensaios.