Acadêmicos destacam grandeza do escritor Hélio Pólvora (1928-2015)

A Academia de Letras da Bahia realizou, na quinta-feira, 16 de abril, a sessão regimental com depoimentos sobre o acadêmico Hélio Pólvora, morto aos 86 anos, no dia 27 de março, em sua residência, após uma parada cardiorrespiratória. A sessão contou com a presença da viúva do escritor, Maria Pólvora, que destacou o grande amor que ele tinha pela literatura e sua dedicação à atividade jornalística. Exemplo disto foi ter ele enviado sua última crônica para o jornal A TARDE, à noite, pouco antes de deitar-se e poucas horas antes do seu falecimento. A grande importância de Hélio Pólvora para a literatura brasileira, nos séculos XX e XXI, foi lembrada também pelos acadêmicos presentes.

Hélio Pólvora (1928-2015), que há mais de um ano lutava contra um câncer do pulmão, ocupava desde 1984 a cadeira nº 29 da ALB, que tem como patrono Agrário de Souza Menezes, como fundador Antônio Alexandre Borges dos Reis e como antecessores Manços Chastinet Contreiras, Colombo Moreira Spínola e Jorge Farias Góes. Natural de Itabuna, Bahia, onde nasceu em 1928, em uma fazenda de cacau, desenvolveu uma carreira literária intensa, publicando 25 títulos de obras de ficção e crítica literária, além de participar em dezenas de antologias nacionais e estrangeiras. Seus livros de contos estão traduzidos em espanhol, inglês, francês, italiano, alemão e holandês. Conquistou prêmios literários de grande prestígio, entre os quais os da Bienal Nestlé de Literatura, anos 1982 e 1986, para contos (1.º lugar), e mais os prêmios da Fundação Castro Maya, para o livro Estranhos e Assustados, e Jornal do Commercio, para Os Galos da Aurora. Assina cerca de oitenta traduções de livros de ficção (romances e contos) e ensaios. Visitou a Colômbia, Estados Unidos e Alemanha, a convite oficial, e conhece bem, além do Brasil, a Europa Ocidental.

Destacam-se ainda suas atividades como editor, crítico literário do Jornal do Brasil, Veja e Correio Braziliense, cronista e crítico de cinema do Jornal do Brasil, Shopping News e outros jornais e revistas. Foi, nos últimos anos, cronista, articulista e editorialista do jornal A Tarde.

Anúncios