Crítica literária é eleita para a Academia de Letras da Bahia

sessao_eleicao_gerana_damulakis_6

A crítica literária Gerana Damulakis foi eleita na tarde desta segunda-feira, 13, a nova imortal da Academia de Letras da Bahia, ocupando a vaga da Cadeira nº 29, antes de posse do escritor Hélio Pólvora, falecido em março deste ano. A acadêmica foi eleita por unanimidade. “Agradeço por me concederam a honra de fazer parte desta confraria. Há um quarto de século frequento esta casa. A ALB sempre teve um papel importante na minha vida. Rendo as minhas homenagens ao escritor Hélio Pólvora, amigo e interlocutor”, disse Gerana Damulakis, após a eleição.

Sobre a acadêmica

Gerana Damulakis é uma renomada crítica literária. Leitora desde os 7 anos, começou cedo a fazer versos. Tem diversos livros publicados, a exemplo do Guardador de mitos, de poesia; Sosígenes Costa – o poeta grego da Bahia, ensaio crítico; O rio e a ponte – À margem de leituras escolhidas, ensaios escritos no jornal A Tarde.

Organizou a Antologia panorâmica do conto baiano – século XX. Participações: O mar na prosa brasileira de ficção, com a conferência “O mar na crônica”; Encontros na Bahia -Brasil 500 anos, com o ensaio” O moderno em Sosígenes Costa”; A Sosígenes, com afeto, com o texto “Castelão de mitos”. Participou de vários números da revista do Gabinete Português de Leitura, Qvinto Império, da revistaIararana, da revista Neon (com coluna fixa de crítica literária) e da revista Cenesp, de São Paulo, também com coluna fixa de crítica.

Integrou a comissão editorial do Selo Letras da Bahia (FUNCEB, Secretaria da Cultura e Turismo) durante 8 anos. Publica no suplemento Cultural de A Tarde desde 1993, onde teve uma coluna intitulada Leitura Crítica no Caderno 2 do mesmo jornal, de 1999 até o final de 2002. Assinou também a coluna Olho Crítico no jornal Tribuna, durante o ano de 2007.

Anúncios