Aramis Ribeiro Costa é eleito membro benfeitor da ALB

Aramis-Ribeiro-Costa

O ex-presidente e imortal da Academia de Letras da Bahia, Aramis Ribeiro Costa, ocupante da Cadeira n­º 12, foi eleito, no último dia 06 de agosto, acadêmico benfeitor da instituição. O título é uma homenagem da casa de cultura à atuação exitosa de Aramis Ribeiro Costa à frente do Solar Góes Calmon, ocorrida na gestão 2011-2015.

“Aramis é um detentor da tradição desta Casa. Ele tem um acendrado amor a esta Academia, como entidade física e como entidade moral. Possui um enorme carinho e cuidado. Esse gesto é uma retribuição a grande parcela de contribuição feita por ele a instituição. É um titulo pelos serviços prestados”, disse Edvaldo M. Boaventura, responsável pela indicação de Aramis Ribeiro Costa.

O homenageado agradeceu a honraria feita pela ALB. “A propriedade e responsabilidade da Casa são dos acadêmicos. Somos nós os donos e proprietários desta tradição, de levar isso adiante. Trabalhamos em prol desta Academia, e sabemos da importância que esta instituição tem para o País, em todos os sentidos”, expressou Aramis Ribeiro Costa.

Sobre Aramis Ribeiro Costa

Aramis de Almada Ribeiro Costa nasceu em Salvador, Bahia, em 31 de janeiro de 1950, filho de Aldegar Ribeiro Costa e de Angélica de Almada Costa. Aos 15 anos de idade começou a publicar fábulas, crônicas e contos, semanalmente, na página infantil do jornal A TARDE, colaboração esta que se estendeu por cerca de 12 anos. Publicou o seu primeiro livro em 1974, Quarto Escuro, uma seleção de 50 poemas, pela Empresa Gráfica da Bahia. Após este, vieram A Caranguejinha de Ouro (literatura infantil), 1986, Editora Ática, São Paulo; Helena Helena (literatura infantil), 1986, Editora Ática, São Paulo; O Morro do Caracará (literatura infantil), 1986, Editora Ática, São Paulo; A Nota de Rosália (contos), 1989, Editora Marfim, Bahia;  Uma Varanda para o Jardim (romance), 1993, Editora Marfim, Bahia; Espelho Partido (poesia), 1996, pela Fundação Cultural do Estado da Bahia, Selo As Letras da Bahia, e A Assinatura Perdida, 1996, São Paulo, Editora Iluminuras. Tem publicado, em jornais e revistas, crônica, poesia, conto e ensaio. É médico pediatra formado pela Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública, em l974; licenciado em Letras Vernáculas com Inglês pelo Instituto de Letras da Universidade Católica do Salvador, em l987; e tem, ainda, pós graduação em Administração Hospitalar, pela Universidade São Camilo, de São Paulo. Foi presidente da Sociedade Civil Hora da Criança; e diretor médico do Hospital Salvador (1977 a l983).

Confira a biografia completa de Aramis Ribeiro Costa, clicando aqui.

Fonte: Academia de Letras da Bahia

Anúncios

Ruy Espinheira Filho lança livro na Academia de Letras da Bahia

O acadêmico Ruy Espinheira Filho, ocupante da Cadeira nº 17, lança na próxima terça-feira (18.08, às 18h), na sede da Academia de Letras da Bahia, no bairro de Nazaré, o seu livro Poemas de amor e morte, que reúne textos inéditos do autor dedicados às temáticas referidas no título. Esta é a quarta antologia de Ruy Espinheira Filho, que integra o volume 10 da ‘Coleção Mestres da Literatura Baiana’, uma publicação conjunta da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia e da Academia de Letras da Bahia, que tem por objetivo a difusão e a preservação da literatura baiana.

Sobre o autor:

Um dos mais premiados escritores do país, Ruy Espinheira Filho já publicou mais de 30 títulos. Sua produção passa por poesia, ficção, ensaios sobre Jorge de Lima, Mário de Andrade e Manuel Bandeira. Entre seus livros publicados estão: As sombras luminosas (1981), vencedor do Prêmio Nacional de Poesia Cruz e Sousa;  Memória da chuva (1996); finalista do Prêmio Nestlé de Literatura Brasileira e do Prêmio Jabuti, ambos em 1997; Prêmio Ribeiro Couto, da União Brasileira de Escritores, em 1998. Elegia de agosto e outros poemas (2005), que recebeu  o Prêmio Academia Brasileira de Letras de Poesia, 2006.

Confira a biografia completa de Ruy Espinheira Filho, clicando aqui.

Fonte: Academia de Letras da Bahia

 

image002

Curso ‘Jorge Amado 2015’ tem início na sede da ALB

A Academia de Letras da Bahia e a Fundação Casa de Jorge Amado iniciaram na noite da última terça-feira (11.08), na sede da ALB, no bairro de Nazaré, o curso ‘Jorge Amado 2015 – V Colóquio da Literatura Brasileira’. Até o próximo dia 14, estão previstas palestras, comunicações e conferências de convidados sobre o acervo deste que foi um dos maiores escritores do país, bem como de autores do século 20 e da contemporaneidade. Serão promovidos também o lançamento de livros e mesas-redondas de debates.

O objetivo do curso é fomentar a troca de experiências para a promoção da literatura brasileira, reunindo estudantes e pesquisadores do universo das letras, em especial sobre a obra do escritor baiano. “Um evento que já se tornou parte do calendário da Academia de Letras da Bahia, com repercussão nacional. É uma homenagem no sentido de atualização interpretativa da obra de Jorge Amado, esse escritor que tanto representou esta cidade, tocada por sua sensibilidade poética romanesca-ficcional”, destacou Evelina Hoisel, presidente da ALB.

O evento deste ano destaca os 70 anos do livro Bahia de Todos os Santos (1945), no qual Jorge Amado mostra ao leitor o “guia de ruas e mistérios” da cidade de Salvador de uma forma única, abordando aspectos físicos peculiares da capital e seus ritos, costumes e tradições.

Na abertura, houve o lançamento do livro Jorge Amado: Literatura e Política, que apresenta depoimentos e trabalhos apresentados na edição 2014 do curso. “Nosso objetivo desde o início foi que se fizesse estudos e pesquisas sobre os romances de Jorge Amado, pois acreditamos que um escritor permanece vivo quando a sua obra é mantida em destaque. Esse sempre foi o nosso propósito”, disse Myriam Fraga, imortal e diretora executiva da Fundação Casa de Jorge Amado.

Em 2015, o curso trará para a discussão nomes como: Jacques Salah (UFBA); Jerusa Pires Ferreira (USP); Tânia Regina Ramos (UFSC); Osnildo Wan-Dall Junior (UFBA); Benedito Veiga (UEFS); Elizabeth Ramos (UFBA); Nelson Cerqueira (FAZAG/UFBA); Myriam Fraga (ALB/FCJA); Aleilton Fonseca (ALB/UEFS); María Pugliese (UNIVERSIDAD NACIONAL DE LUJÁN – BUENOS AIRES, ARGENTINA); e Dominique Stoenesco (ALB).

Confira a programação completa, clicando aqui.

Escritora argentina se torna primeira mulher sul-americana a tomar posse na ALB como membro correspondente

A escritora argentina María Felisa Pugliese se tornou a primeira mulher sul-americana a tomar posse na Academia de Letras da Bahia como membro correspondente. A solenidade aconteceu na última segunda-feira (10.08), na sede da ALB, no bairro de Nazaré, e contou com a presença de diversas autoridades do universo das letras.

Professora da Universidad de Luján, em Buenos Aires, e autora de livros como De uno y outro lado; Esquirlas; e Voces como Furias, ela destacou a importância de integrar esta imponente casa de cultura do Estado. “Me honra fazer parte de uma instituição que, desde 1917, dedica-se ao cultivo da língua e da literatura nacional, destacando a memória cultural baiana, e estimulando as manifestações nas áreas das ciências e artes”, disse.

O acadêmico Aleilton Fonseca, ocupante da Cadeira nº 20, e responsável pela saudação à Felisa Pugliese, enobreceu o trabalho da literária. “Ela tem revelado um grande interesse pelos estudos da produção dos escritores baianos. É empenhada, produtiva, e, em seus textos, engrandece não só a cultura brasileira, mas também a literatura baiana, contribuindo para a sua expansão em terras estrangeiras”, expressou.

A presidente da Academia de Letras da Bahia, Evelina Hoisel, ressaltou o papel do sócio correspondente para a ALB. “É uma responsabilidade. A literatura, para quem escreve, traz a responsabilidade perante a linguagem e palavra. Esse momento é importante, pois celebramos a relação entre culturas, literaturas e pessoas”, exprimiu.

Sobre a escritora

María Felisa Pugliese é escritora e professora da Universidad de Luján, em Buenos Aires. Publicou livros como De uno y outro lado; Esquirlas; Voces como Furias; entre outras publicações. Possui ensaios em jornais, revistas e sites.

 

ALB realiza homenagem póstuma a Consuelo Pondé de Sena

A Academia de Letras da Bahia realiza no próximo dia 20 (quinta-feira), na sede da instituição, localizada no bairro de Nazaré, uma homenagem póstuma a historiadora Consuelo Pondé de Sena, falecida em maio deste ano, em plena atividade intelectual. A saudação será feita pelo acadêmico Edivaldo M. Boaventura, às 18 horas. A imortal Consuelo Pondé de Sena ocupava desde 2002 a Cadeira nº 28 da ALB.

Sobre a historiadora

Consuelo Pondé de Sena destacou-se em seus estudos sobre a Língua Tupi e a Etnologia Geral e do Brasil. Presidiu por cinco mandatos o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia – IGHB. Colaborou também durante muitos anos com os jornais Tribuna da Bahia e A Tarde. Foi sócia correspondente da Academia Portuguesa da História, do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e dos estaduais: Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais e Paranaguá (Paraná).

Confira a biografia completa da historiadora, clicando aqui

Fonte: Academia de Letras da Bahia

Sessão Saudade Consuelo Ponde de Sena

Acadêmica Myriam Fraga comemora 30 anos de ALB

A imortal e poeta Myriam Fraga, ocupante da Cadeira nº 13 e atual vice-presidente da Academia de Letras da Bahia, comemorou os 30 anos dedicados a esta importante casa de cultura do Estado da Bahia, na última quinta-feira (30.07). A solenidade aconteceu no Palacete Góes Calmon, sede da ALB, e contou com a presença de diversas autoridades do universo das letras. A imortal tomou posse no dia 30 de julho de 1985, sendo saudada na época pelo acadêmico Cláudio de Andrade Veiga.

Na oportunidade, Myriam Fraga recordou a sua trajetória. “Nesses 30 anos, eu compreendi melhor o espirito da Academia. A importância dela para a cidade. Nós somos privilegiados por pertencer a esta casa”. Destacou ainda dois importantes momentos da sua vida acadêmica. “A criação do curso Jorge Amado e o Seminário Myriam Fraga”, lembrando que, em agosto, terá início a quinta edição do curso dedicado ao escritor baiano e um dos grandes nomes da literatura brasileira

Os acadêmicos presentes à cerimônia fizeram questão de exaltar o trabalho da escritora, destacando as qualidades de sua obra poética e de sua atuação intelectual no cenário contemporâneo: “Myriam Fraga é uma instituição cultural da Bahia. Ela tem um dinamismo extraordinário. Cria diálogos inteligentes entre as pessoas”, elogiou um deles.

Sobre a escritora

Myriam Fraga é escritora, poeta, jornalista e biógrafa. Tem diversos livros publicados, entre poesia e prosa. Participou de várias antologias no Brasil e exterior, tendo poemas traduzidos para o inglês, francês e alemão. Entre suas recentes publicações: Sesmaria e Femina (poesia), Jorge Amado, Castro Alves, Luiz Gama e Carybé (literatura infantil), Leonídia – a musa infeliz do poeta Castro Alves (biografia). Estreou  com o livro de poemas  Marinhas,  no ano de 1964, pelas Edições Macunaíma – editora especializada em publicações de tiragem limitada e de alto padrão gráfico, sob a orientação artística do gravador Calasans Neto.

Biografia completa, clique aqui.