Aniversário de 80 anos do imortal Paulo Ormindo é celebrado pela ALB

Sob muitos aplausos de amigos, familiares e autoridades locais, o arquiteto, urbanista e imortal da Academia de Letras da Bahia, Paulo Ormindo, foi homenageado nesta quinta-feira (16.03), no Palacete Góes Calmon, pelo seu aniversário de 80 anos, recém-completados no último dia 14. A solenidade contou com um série de discursos, relembrando a obra acadêmica e profissional do intelectual baiano.

Professor titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia (Ufba), instituição parceira nas celebrações do seu octogésimo aniversário, Ormindo, filho do renomado historiador e antropólogo Thales de Azevedo, fez carreira em solo nacional e internacional. Após obter doutorado em restauração e sítios pela Universitá Degli Studi de Roma, onde residiu por três anos, o estudioso foi consultor da Unesco, tendo realizado importantes missões na América do Sul, Caribe e África Lusófona.

“Um cidadão exemplar. Estreitamos a nossa relação nas lutas conjuntas pela cidadania”, disse o antropólogo Ordep Serra ao iniciar as celebrações. Por sua vez, o reitor da Ufba, João Carlos Salles, também presente ao evento, reiterou a sua admiração pelo homenageado. “A Faculdade de Arquitetura ao apontar para a Ufba alguns valores, chama a atenção de alguns valores dizendo: “Olha, temos aqui o nosso homem”, certamente teria em Paulo Ormindo o exemplo de firmeza, combatividade, coragem, leveza e elegância”, elogiou.

Na Bahia, Paulo Ormindo esteve à frente de cargos da Secretaria de Patrimônio Histórico e Artístico na Bahia, sendo responsável pela criação e coordenação do Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia, um dos pontos altos da sua carreira, além de presidir, de 2006 a 2010, o departamento baiano do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/BA).Dentre os trabalhos realizados está a restauração do Mercado Modelo, símbolo cultural do País, e do Centro Cultural Danemann, na cidade de São Félix (BA).

Orador da noite, o vice-presidente da ALB, Edivaldo M. Boaventura, destacou a presença de Paulo Ormindo no sodalício, onde ocupa desde 1981 a Cadeira de número 2, antes de posse do advogado Luiz Viana Filho. “A presença dele tem sido um serviço constante à Companhia. Paulo Ormindo fez a obra, o nome e mantêm o seu público com acendrado espírito crítico. Os 80 anos são baliza, marco, momento, recordação, saudade positivada dos que partiram”, afirmou Edivaldo, que, ao final da sua fala, ainda leu um trecho de Fernando Pessoa em reverência ao amigo. “A memória é a consciência inserida no tempo”. expressou.

Luciano de Azevedo, um dos quatro filhos de Paulo Ormindo, lembrou que em sua infância, sucessivamente, “acordava ao meio da noite e encontrava o pai trabalhando”. “Preocupado com esse ritmo alucinante, lhe indaguei numa conversa anos atrás perguntando-lhe se ele não achava que estava na hora de desacelerar um pouco. Parar de trabalhar tanto, curtir os netos, viajar com minha mãe mundo afora, e ele me respondeu: “Tenho medo, meu filho. Medo que me falte tempo, tenho ainda muito a produzir”. Passaram-se cinco anos e ele não parou, continua produzindo ainda mais. Uma obra feita de palavras e tijolinhos aparentes, sua marca arquitetônica. Uma obra autêntica e temporal”, orgulha-se Luciano.

O mais novo desafio de Paulo Ormindo é o universo das Letras, com o lançamento do livro de contos e crônicas “A Memória das Pedras”. Antes, ele já havia se inserido no campo do jornalismo, onde quinzenalmente publica artigo no jornal A Tarde sobre os mais diversos temas. “Esta não é uma despedida, espero! É uma prestação de contas, para restaurar o crédito e poder desfrutar com vocês outros marços de muitas águas. Vivo hoje a graça, e a graça de fruir cada dia do ano como se fosse o último e imaginar e invejar o futuro. Vamos, pois, curtir a vida, palavra que significa, ao mesmo tempo, amaciar o couro, amadurecer e fruir, enquanto dure este sopro. Obrigado a todos vocês por me moldarem como eu sou”, agradeceu. Estiveram também presentes à mesa as presidentes da ALB, Evelina Hoisel, e Solange Souza Araújo, do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/BA).

Anúncios