Nelson Cerqueira será empossado no dia 11

O novo ocupante da Cadeira nº 4 da Academia de Letras da Bahia será empossado no dia 11 de maio (quinta-feira), às 20 horas, no salão nobre do Solar Góes Calmon, sede da instituição literária no bairro de Nazaré. Trata-se de Nelson Cerqueira, graduado em Língua e Literatura Alemã pela Universidade Federal da Bahia. O novo imortal, que é professor colaborador do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Direito da Ufba, assume o lugar antes pertencente ao engenheiro Geraldo Machado, falecido em 2016. O acadêmico será saudado pelo confrade Joaci Góes. A solenidade é aberta ao público.

ALB promove oficinas gratuitas em parceira com o projeto Ponto de Cultura

A Academia de Letras da Bahia inicia no próximo mês de maio o ciclo de cinco oficinas gratuitas voltadas para a introdução de estudantes na prática literária, bem como para o aperfeiçoamento do trabalho de pessoas que já utilizam à literatura de forma profissional. O trabalho integra o projeto Ponto de Cultura – Espaço das Letras, através de uma parceria com o Governo do Estado.

Ao todo, serão realizados os cursos de Literatura Baiana (18 de maio), que será ministrado pelo escritor Marcus Vinícius Rodrigues; Dramatugia Baiana (19 de maio), por Ana Mariano; Poesia (31 de maio), por Matheus Marques; Jornalismo Cultural (02 de junho), com palestra da jornalista e escritora Kátia Borges; e Cordel (06 de junho), por Antônio Carlos Barreto. Todas as oficinas acontecerão sempre das 14h às 17h.

Nos últimos anos, a ALB tem proposto uma mudança no direcionamento da sua linha de atuação, buscando tornar-se um centro difusor de cultura aberto para toda a comunidade soteropolitana, tendo especial atenção para a comunidade situada nas redondezas do centro da cidade, local onde está localizada a sede da Academia. Todo o plano de trabalho do Ponto de Cultura – Espaço das Letras tem ênfase na formação cultural, seja através do estímulo aos debates e discussões, ou por meio da realização de oficinas, encontros e eventos abertos ao público.

As inscrições são limitadas e devem ser efetuadas presencialmente no dia de cada oficina. A Academia de Letras da Bahia está localizada na Avenida Joana Angélica, 198, bairro de Nazaré.

Paulo Ormindo faz conferência sobre proposta de desenvolvimento para a Baía de Todos os Santos

O imortal da Academia de Letras da Bahia, Paulo Ormindo, realiza, nesta quarta-feira (26.04), às 17 horas, uma conferência intitulada “Sistema rodo-ferro-portuário para o desenvolvimento da Baía de Todos os Santos”, No encontro, que será realizado no auditório do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), no bairro da Piedade, o acadêmico tratará da proposta de implantação de um sistema composto pela rodovia denominada de Envolvente da Baía de Todos os Santos, com Arco Ferroviário da BTS e o com o hub-port, do canal de Itaparica.

Em recente entrevista a Universidade Federal da Bahia (portal Edgardigital), Ormindo explicou a importância do projeto. “A construção de uma estrada envolvendo a Baía de Todos os Santos, ligando Salvador ao Recôncavo, seria uma alternativa com muito mais possibilidades de desenvolvimento para o Estado. Um cinturão rodo-ferroviário em volta da baía teria a vantagem de integrar quatro portos (Salvador, Aratu e Temadre e São Roque) e criar uma bifurcação nas proximidades de Santo Amaro, articulando-se à ferrovia de Nazaré por um lado, e a Feira de Santana e Alagoinhas, por outro, beneficiando ainda uma série de regiões, como o estaleiro do Paraguaçu, onde estão a refinaria Landulpho Alves e o centro de Aratu”, disse. A entrada é gratuita.

SERVIÇO
Conferência: Sistema rodo-ferro-portuário para o desenvolvimento da BTS
26 de abril de 2017, às 17h
IGHB – Avenida Joana Angélica, 43,bairro da Piedade
http://www.ighb.org.br

ALB completa 100 anos reafirmando o seu papel de cuidadora das letras

10 de abril de 2017. Uma data que será “imortalizada” pela Academia de Letras da Bahia. O termo imortal é utilizado pelos acadêmicos da instituição literária para eternizar – perpetuar – a obra pessoal, acadêmica e profissional de um membro já falecido. Desta vez, a expressão foi utilizada sob uma ótica diferente: a celebração do centenário de nascimento da ALB, ocorrida na noite da última segunda-feira (10.04) no Solar Góes Calmon, sede da agremiação no bairro de Nazaré. O evento reuniu autoridades culturais, escritores e os amantes do universo das letras para uma revisitação à memória desta que é uma das entidades culturais mais respeitadas do Estado.

Fundada no dia 07 de março de 1917 pelo engenheiro baiano Arlindo Coelho Fragoso, a Academia chega aos 100 anos mostrando ser, de fato, uma organização prestante da cultura. “Reconheçamos que uma instituição de 100 anos, com tantos expoentes da cultura e da literatura, com o acervo de mais de 30 mil volumes e de documentos, é um constante convite à pesquisa. Não vamos ser, já somos um centro de documentação bem procurado”, disse Edivaldo Machado Boaventura, um dos oradores da noite. Ele é um dos membros mais antigos da agremiação, com 46 anos à frente da Cadeira nº 39. Sua entrada ao sodalício se deu em 1971, à época com 37 anos.

O intelectual, que dirigiu a casa de cultura de 2007 a 2010, se junta a galeria de outros 16 presidentes que estiverem à frente do cargo ao longo do século. São eles: Ernesto Carneiro Ribeiro, Braz do Amaral, J. J. Seabra, Carlos Ribeiro, João Garcez Fróis, Luiz Pinto de Carvalho, Aloysio de Carvalho Filho, Thales de Azevedo, José Calasans, monsenhor Manuel Aquino Barbosa, Estácio de Lima, Jorge Calmon, Hélio Simões, Cláudio Veiga, Aramis Ribeiro Costa e Evelina Hoisel.

Ao longo de sua história, já passaram pelas cadeiras da Academia de Letras da Bahia mais de 200 nomes, dentre elas diversas personalidades cujos trabalhos tiveram importância para a Bahia e para o país, a exemplo do ex-governador Otávio Mangabeira, os escritores João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado e Zélia Gattai, além do jornalista Jorge Calmon.

No seleto grupo de ex-presidentes está também Aramis Ribeiro Costa (2011-2015), médico e escritor, e um dos responsáveis por homenagear o centenário da instituição. Em sua fala, o acadêmico fez questão de relembrar um pouco do passado da ALB, recapitulando os motivos que levaram à sua fundação.
“A data de sete de março não foi escolhida ao acaso. Foi para homenagear uma iniciativa semelhante ocorrida em Salvador, 193 anos antes. A Academia Brasílica dos Esquecidos, fundada na mesma data do ano de 1724 por determinação do vice-rei Vasco Fernandes Cezar de Menezes, Conde de Sabugosa, trigésimo nono governador da Bahia. Foi a primeira academia de letras do Brasil, a significar a independência intelectual dos aqui nascidos, e que se julgavam postergados ou esquecidos pela Academia Real da História Portuguesa, de 1720”, contou Ribeiro Costa. A ela seguiu-se a Academia dos Renascidos, em 1759, que pretendia, como sugere o nome, fazer renascer os esquecidos, restabelecer a interrompida iniciativa.
“Porém, como a antecessora, durou pouquíssimo. O que aqueles homens, aqueles notáveis da Bahia do século passado, fizeram no dia 7 de março de 1917, data da fundação da ALB, foi justamente reacender mais uma vez a chama extinta, reatar a ideia de uma sociedade inteligente voltada para as letras, a história, o conhecimento, a produção intelectual — o mais amplo e destemido universo da cultura”, acrescentou. Os personagens notáveis da época a qual se refere Aramis Ribeiro Costa eram políticos, advogados e médicos, responsáveis por estimular o cenário cultural baiano.

Primeira mulher da historia a assumir a presidência da Academia, Evelina Hoisel, que atualmente está no seu segundo mandato, afirma que o centenário chega para revigorar os princípios da Casa, inscritos no lema que já aparece gravado no seu estatuto, desde o momento da fundação: servir à Pátria, honrando as Letras. “Celebramos a sua história com a convicção de que, desde a sua origem, ela é a guardiã de um precioso instrumento que torna possível a aventura humana ao longo dos tempos e que constrói a própria história: a língua, e, de maneira mais específica, a língua revitalizada pela literatura, pelo pensamento criativo, materializado nas manifestações artísticas e culturais. E estas se constituem como espaço de liberdade, é onde o poder gregário da língua encontra resistência, não se instala”, exprimiu.

Ela ainda falou sobre a importância da circulação dos saberes, especialmente relacionado às publicações e projetos desenvolvidos pela ALB ao longo do século. “O cuidar das Letras nesta Instituição não significa simplesmente guardar um acervo, mas colocá-los também à disposição do público. Trata-se principalmente de fazer germinar, circular os saberes. A palavra inscrita no estatuto da Academia de Letras da Bahia é a palavra cultivo, de cultivar, etimologicamente a mesma da palavra cultura, e traz uma conotação de vida, de semeadura, de inseminação e de disseminação. Remete-nos, portanto, a um organismo vivo”, completou. Ao longo de 2017, a Academia realizará seminários e publicações em homenagem ao centenário.

Está previsto para o segundo semestre deste ano o lançamento de um livro que conta a história da Academia. O material será composto por textos de imortais. Ao todo, são quarenta cadeiras numeradas, cada uma com o respectivo patrono permanente e imutável, sendo quarenta membros efetivos e vinte correspondentes, todos vitalícios. A Academia de Letras da Bahia está aberta ao público de segunda a sexta, sempre das 13:30h às 17:30h.

Fotos: Kin Guerra

Placa comemorativa aos 100 anos da ALB é inaugurada no Solar Góes Calmon

Uma placa comemorativa ao centenário da Academia de Letras da Bahia foi inaugurada no salão nobre do Solar Góes Calmon, sede da ALB no bairro de Nazaré, durante a celebração aos 100 anos de nascimento da casa de cultura, ocorrido na noite da última segunda-feira (10.04). Na ocasião, a presidente Evelina Hoisel e o ex-governador e membro da instituição literária, Roberto Santos, descerraram a placa, que se encontra aberta para visitação do público. O Madrigal da Universidade Federal da Bahia também fez uma apresentação para homenagear a instituição secular.

• Leia mais sobre a sessão de homenagem ao centenário da ALB, clique aqui.

Foto: Kin Guerra

Imprensa baiana destaca centenário da Academia de Letras da Bahia

A comemoração do centenário da Academia da Bahia foi motivo de interesse da imprensa baiana. Celebrado ontem (10.04), no Palacete Góes Calmon, sede da ALB no bairro de Nazaré, os veículos puderam conhecer um pouco da história e obra literária desta que é uma das mais importantes e respeitadas entidades culturais do Estado.

Na ocasião, a TV Educativa (TVE), Tv Bahia, afiliada da Rede Globo, e a TV Assembléia estiveram no sodalício para visitar as instalações da casa de cultura e entrevistar os imortais e visitantes que frequentam a agremiação. Além disso, as rádios Educadora (Programa Multicultura), Metrópole e Band News, bem como o portal Bahia Notícias, também deram destaque às homenagens dos 100 anos da Academia, fundada em março de 1917 pelo engenheiro baiano Arlindo Fragoso.

Confira algumas dessas entrevistas: 

Membro correspodente escreve artigo em homenagem ao centenário da ALB

A italiana Antonella Rita Roscilli, membro correspondente da Academia de Letras da Bahia, escreveu um artigo onde fala sobre o centenário da instituição literária, que será comemorado ao longo de 2017. No texto, ela relembra um pouco da história da ALB, narrando sobre personagens ilustres que ajudaram a construir todo o seu legado. A publicação pode ser acessada nas versões em italiano e português. Confira!