Centenário da Academia de Letras da Bahia será comemorado no dia 10

“Estive na Academia e achei que a nossa sede estava uma senhora muito bem vestida para o seu aniversário de 100 anos, com seu longo de cetim pêssego, com debruns e aplicações brancas, que contrastavam com o verde das palmeiras e árvores de seu jardim”. A fala do imortal Paulo Ormindo reproduz o resultado da recente pintura realizada na área externa da Academia de Letras da Bahia para as comemorações do centenário da instituição literária, que será celebrado no próximo dia 10 (segunda-feira) – data da sua instalação -, às 20 horas, no Palacete Góes Calmon. A cerimônia, que será aberta ao público, contará com uma série de homenagens a esta que é uma das mais importantes e respeitadas entidades culturais do Estado.

Com a presença de autoridades, a solenidade será conduzida pelos três últimos presidentes da ALB, respectivamente Edivaldo M. Boaventura, Aramis Ribeiro Costa e Evelina Hoisel (atual), e contará com a apresentação do Madrigal da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Instituída em 07 de março de 1917 pelo engenheiro baiano Arlindo Fragoso, a ALB tem reforçado ao longo do século o seu papel com instituição cultivadora da língua e da literatura nacional, preservando a memória cultural baiana e estimulando as manifestações nas áreas das ciências e das artes. “O trabalho na cultura e particularmente na literatura é infindável. Haverá sempre muito a fazer, e felizmente que é assim, porque a cultura se renova, a literatura se renova, e as pessoas são sempre outras. Mas há também um enorme trabalho a ser realizado no resgate do passado. A Academia de Letras da Bahia é uma história que precisa ser contada com mão de mestre”, revela Aramis Ribeiro Costa, que possui o título de membro benfeitor da ALB, onde ocupa a Cadeira número 12.

Com um acervo literário em sua biblioteca que ultrapassa os 25 mil exemplares, a ALB possui ainda um robusto arquivo com obras dos acadêmicos. Ao todo, são quarenta cadeiras numeradas, cada uma com o respectivo patrono permanente e imutável, sendo quarenta membros efetivos e vinte correspondentes, todos vitalícios. Ao longo de sua história, já passaram pelas cadeiras da Academia diversas personalidades cujo trabalho tiveram importância para a Bahia e para o país, dentre os quais se destacam o ex-governador Otávio Mangabeira, os escritores João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado e Zélia Gattai, e o jornalista Jorge Calmon.

Primeira mulher a assumir o comando da entidade desde a sua fundação, Evelina Hoisel disse ser um momento de grande celebração, que marca a comemoração da história de uma instituição secular, com uma presença marcante na vida literária e cultural dos baianos. “A Academia congrega intelectuais de diversas áreas – letras, antropologia, filosofia, educação, psicanálise, história, arquitetura, medicina, direito, etc. Seus membros são personalidades que têm uma participação ativa na vida literária, cultural, política do Estado. A Academia instituiu-se assim como um centro de circulação de ideias, a estimular o desenvolvimento do pensamento e do saber e, principalmente, da literatura através de cursos, palestras, seminários, concursos, lançamentos de livros, visitas guiadas”, expressa.

SERVIÇO

Centenário da Academia de Letras da Bahia (ALB)
Data: 10 de abril de 2017 (segunda-feira)
Horário: 20 horas
Local: Palacete Góes Calmon, localizado na Avenida Joana Angélica, 198, bairro de Nazaré
Entrada: Gratuita

Anúncios