Oficina de cordel encerra ciclo de debates na ALB

“O nascimento da literatura de cordel está vinculado à natureza; ao homem do campo”, explicou Antonio Barreto, ao encerrar, no dia 06 de junho, o ciclo de debates gratuitos promovido pela Academia de Letras da Bahia. Ele foi responsável por ministrar a aula sobre literatura de cordel. Antes, houve também discussões sobre literatura baiana, jornalismo cultural, dramaturgia e poesia, sempre com a presença de um especialista sobre o assunto.

Natural do município baiano de Santa Bárbara, o “poeta popular”, como gosta de ser chamado todo cordelista, apresentou ao público um pouco sobre a história deste gênero literário. “Poesia de cordel começa através da sensibilidade das imagens da vida”, contou. Para ele, a arte popular se difere do padrão cânone por “se apresentar em versos que obedecem a determinadas regras”. “Rima, métrica e oração. Sem essas exigências, não definiremos como cordel”, acrescentou aos alunos.

Além de apresentar o cordel como fonte de aprendizagem, lazer, e mostrar a sua grande contribuição à formação cultura, Barreto interpretou textos que comprovam que este gênero poético-popular é considerado parte da literatura, trabalhando especialmente como instrumento pedagógico.

 

Anúncios