Curso Castro Alves inicia debates na Academia de Letras da Bahia

Nesta quinta-feira (05/07) iniciou, na sede da Academia de Letras da Bahia, localizada no bairro de Nazaré, o “XII Colóquio de Literatura Baiano do Curso Castro Alves”. O evento é uma parceria entre a instituição literária e a Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

Até sexta-feira (07.07), serão realizados lançamentos de livros, sessões de comunicações e mesas redondas para discutir a obra deste que foi um dos maiores poetas lírico e social do país. Os encontros são gratuitos, e integra há mais 30 anos o calendário acadêmico da ALB. O curso, que reuniu estudantes e pesquisadores do universo das letras, começou a sua programação com pesquisadores debatendo o acervo literário de Castro Alves, que reúne obras como Navio Negreiro, Espumas Flutuantes e Os Escravos, dentre outros.

As duas primeiras sessões de comunicação – trabalhos apresentados por estudantes de inúmeras universidades baianas – tiveram a literatura baiana como tema, discutindo especialmente as suas perspectivas por meio dos aspectos culturais, revisões de textos, diálogos e identidades do poeta baiano, natural da antiga Curralinho, hoje cidade que leva o seu nome, situada a 194 quilômetros de Salvador (BA). A coordenação ficou a cargo dos professores Antônio Carlos Sobrinho e Arlania Maria Reis de Pinho Menezes.

A mesa redonda “A guerra de canudos – 120 anos” trouxe análises, reflexões e narrativas a partir de clássicos da literatura escritos por Euclides da Cunha, a exemplo de Os Sertões. O escritor, professor e imortal da ALB, Carlos Ribeiro, coordenou os debates. Por fim, foi realizado o lançamento dos livros O pêndulo de Euclides, romance escrito pelo imortal e organizador do curso Aleilton Fonseca, e Canudos: conflitos além da guerra, ensaio de Adenilson Barros de Albuquerque e Gilmei Francisco Fleck.

Anúncios