Mesa redonda destaca importância poética de Castro Alves

O segundo dia do “XII Colóquio de Literatura Baiano do Curso Castro Alves”, realizado nesta quinta-feira (06.07) na sede da Academia de Letras da Bahia, no bairro de Nazaré, deu destaque para a mesa redonda “Poesia e vida de Castro Alves – 170 anos”, composta por nomes como Evelina Hoisel, presidente da ALB, e pelas professoras Rita de Cassia Queiroz e Edilene Matos – também imortal -, respectivamente da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Durante a reflexão, a presidente da instituição literária destacou a importância da figura de Castro Alves para a literatura baiana e brasileira. “Castro Alves disseminou na sua vida a imortalidade de suas obras que, independente da época e região, é capaz de acolher o indivíduo nos seus aspectos coletivos”, disse. Para a imortal, mesmo morrendo aos 24 anos, o poeta assegurou um acervo de obras que poucos literários com mais idade construíram.
“A apropriação dos personagens históricos, poéticos, místicos, políticos é o que torna sua escrita atemporal. Seus personagens são facilmente encontrados na atualidade através de sua pluralidade de exemplos. Com isso, é capaz do leitor se encontrar em seus textos, pois o indivíduo se reconhece na sua vasta gama de personagens”, completou.

A mesa homenageou ainda a professora Rita de Cássia Queiroz por sua contribuição no desenvolvimento do colóquio e na difusão da literatura baiana com forma de estudo e conhecimento. “Desde 2006, quando o colóquio foi criado, venho abraçando este projeto. Fico agradecida tanto como professora, quanto como escritora, pois, uma celebração com essa, serve para fomentar, estudar, divulgar e apresentar tanto os trabalhos de antigos autores quanto os de novos escritores da Bahia”, agradeceu.

Recital

Quem também ressaltou a importância do curso foi o ator e o apresentador baiano Jackson Costa que, na oportunidade, recitou poesias de Castro Alves. Logo após a sua apresentação, o artista disse estar realizado em participar de momentos como este. O ator sugere a realização de mais iniciativas como esta promovida pela ALB, que valoriza a literatura baiana. “Salvador é conhecida como capital do carnaval. Porque não ser reconhecida como a capital da literatura? É necessário que ocorra mais eventos como este, já que existem muitos poucos no Brasil. É preciso incentivo da parte do governo, pois, eventos assim, valorizam a cultura do nosso Estado”, destacou.

O Curso Castro Alves é uma parceria entre a Academia de Letras da Bahia e a Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). As discussões seguem até esta sexta-feira (07.07), com acesso gratuito à população.

Anúncios