Academia de Letras da Bahia e Eletrogóes entregam prêmio a Edivaldo Boaventura

“Um disseminador de conhecimento”. A fala é da presidente da Academia de Letras da Bahia Evelina Hoisel que, nesta quinta-feira (14.12), entregou uma placa comemorativa ao membro benfeitor e vice-presidente da instituição, Edivaldo Machado Boaventura. A honraria é alusiva ao Prêmio Conjunto de Obra Academia de Letras da Bahia, patrocinado pela empresa Eletrogóes, e que homenageia anualmente um escritor pelos serviços prestados à literatura do Estado. O evento foi incorporada ao calendário acadêmico da entidade pelo também confrade Joaci Góes. Este ano, o “chanceler da cultura baiana”, outro adjetivo utilizado por Hoisel a Boaventura, completou 46 anos de vida acadêmica. Ele assumiu a Cadeira nº 39 em 1971, aos 38 anos.

“Confesso que este prêmio coroa todo o meu esforço alcançado”, agradeceu Edivaldo M. Boaventura, hoje com 84 anos. Natural da cidade de Feira de Santana, possui mais de 50 anos de magistério, sendo professor emérito da Universidade Federal da Bahia (Ufba), criador e primeiro reitor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), além de coordenar atualmente o núcleo de pós graduação da Universidade Salvador (Unifacs). Ex-secretário de Educação do Estado, dirigiu também o jornal A Tarde e a própria Academia de Letras da Bahia por dois mandatos (2007 – 2011). Sua obra literária se estende pelos mais diversos campos do conhecimento. Ultimamente, se dedica à orientação de teses e dissertações, tendo participado de mais de 150 bancas examinadoras.

 

Anúncios