Estudioso português visita pela primeira vez a Academia de Letras da Bahia

Em sua primeira visita à Academia de Letras da Bahia, ocorrida nesta quinta-feira (14), o estudioso português Arnaldo Saraiva não economizou elogios ao estado. Membro correspondente da Academia Brasileira de Letras e professor emérito da Universidade de Porto, ele foi um dos convidados do projeto “Bahia-Portugal: pontos que nos unem”, evento que acontece até o dia 19 na capital baiana em comemoração ao Dia de Portugal, do poeta Luís Vaz de Camões e das comunidades portugueses. “Carlos Drummond de Andrade tinha um poema que dizia assim: ‘Preciso fazer um poema sobre a Bahia, mas eu nunca fui lá’. Eu fiz uma paródia que dizia: ‘É preciso fazer um poema sobre a Bahia, mas eu já fui lá’. Vir a Bahia é talvez mais importante que fazer uma poema, porque essa cidade tem os encantos que sabemos”, exaltou ele, que dedicou boa parte do seus estudos ao poeta brasileiro.

Sobre as relações culturais entre os países, Saraiva disse: “Há longas décadas, brincava-se com uma frase que dizia: ‘Europa, França e Bahia’. Eu sempre preferi: ‘Europa, Portugal e Bahia’. Há muito mais relações do que a França”, contou. A vinda dele a Salvador foi para discutir a obra do lusitano Antônio Braz Teixeira, pensador em atividade que defende a aproximação entre as nações de língua portuguesa. “Um apaixonado pela literatura brasileira”, revelou. A cônsul-geral de Portugal na Bahia Nathalie Viegas também esteve no encontro.

Anúncios