Academia de Letras elege nova diretoria

 

A Academia de Letras da Bahia elegeu a sua nova diretoria para o biênio 2019/2021. Em reunião realizada na sua sede, em Nazaré, e conduzida pela atual presidente, Evelina Hoisel, a instituição escolheu o escritor Joaci Góes como seu novo presidente, ao lado de Nelson Cerqueira, que assume a vice-presidência.

A nova diretoria tomará posse em cerimônia a ser realizada no mês de março de 2019. Abaixo, a formação completa da chapa eleita:

Presidente: Joaci Góes
Vice-Presidente: Nelson Cerqueira
1º Secretário: Ordep Serra
2º Secretário: Glaucia Lemos
1º Tesoureiro: Paulo Ormindo
2º Tesoureiro: D. Emanuel D’Able do Amaral
Diretor da Revista: Edilene Matos
Diretor da Biblioteca: Armando Avena
Diretor do Arquivo: Gerana Damulakis
Diretor de Informática: Carlos Ribeiro
Conselho Editorial: Evelina Hoisel / Fernando Peres / Francisco Senna
Conselho de Contas e Patrimônio: Urania Peres / Aramis Ribeiro Costa / Fredie Diddier

Ordep Serra faz palestra sobre a cultura grega

Uma bela e profunda aula sobre a cultura grega. Assim pode ser definida a palestra proferida pelo antropólogo e escritor Ordep Serra na tarde do dia 23 de novembro na sede da Academia de Letras da Bahia. O convidado, que é Doutor em Antropologia pela USP, falou sobre ” O Prólogo da Tragédia Bacantes, de Eurípedes”, promovendo uma interessante abordagem sobre a cultura grega, sua mitologia e paixão pela tragédia.

Graduado em Letras pela UNB, Mestre em Antropologia Social pela UNB , Ordep Serra é professor aposentado associado do Departamento de Antropologia da FFCH / UFBA, mas ainda integra o Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFBA, de que foi um dos fundadores e o primeiro coordenador. É também membro da Associação Brasileira de Antropologia, da SBPC, da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos e da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia.

 

 

Curso sobre Literatura, Arte e Direito será realizado na ALB

O curso “ Literatura, Direito e Arte”, a cargo dos professores Nelson Cerqueira, vice-presidente da Academia de Letras da Bahia, e Rodolfo Pamplona, presidente da Academia de Letras Jurídicas da Bahia, acontece nos próximos dias 6 e 7 de maio, das 14 às 17 horas, na sede da ALB, no bairro de Nazaré.  Dividido em duas etapas, o curso terá o seu primeiro dia dedicado ao tema “O texto jurídico como narrativa e ficção”, com a seguinte subdivisão: O texto da prisão em flagrante/ As múltiplas relações direito, arte e literatura/ Poder e ponto de vista no texto jurídico e literário.

Já no dia 7  de maio, o tema será “Estética e Direito Penal: Pensamento sensível do Direito”, com os subtemas: A arte no mundo da prisão/ Texto jurídico e texto estético/ Literatura e direito em Herman Melville /Giorgio Agamben /Jacques Derrida/ Gilles Deleuze /Cass Sunstein e o minimalismo. Participação do professor Marcos Freitas, da advogada e ilustradora (arte e traço) Larissa Andrade do acadêmico Nelson Cerqueira.

Informações e inscrições: www.even3.com.br/literaturaarteedireito


Encontro movido à poesia e sensibilidade

Não poderia ser mais inspirador o encontro promovido pela Academia de Letras da Bahia com a premiada autora Lívia Natália Santos, uma das maiores expressões da poesia baiana na atualidade. Natália falou sobre sua obra e trajetória, explicou nuances do seu trabalho e leu para todos alguns dos seus poemas, marcados por intensa força poética. O encontro, aberto ao público, aconteceu no final da tarde do dia 14 de novembro, na sede da ALB, no bairro de Nazaré.

Dona de uma poesia com ” fina e comovente sensibilidade”, nas palavras da presidente da Academia, Evelina Hoisel, a escritora marcou o encontro na ALB pela exibição de sua obra a partir de uma leitura performática, em que acentuou o tônus lírico de cada texto, contagiando os presentes.

Na visão de Evelina Hoisel, o trabalho de Livia Natália se traduz “na militância de uma mulher negra que escreve com as marcas de uma história ancestral inscritas em seu próprio corpo, transbordando para o corpo do poema uma primorosa e madura construção literária”.

Natural de Salvador, Livia Natália Santos é Mestre e Doutora em Teorias e Crítica da Literatura e da Cultura pela Universidade Federal da Bahia, sendo atualmente professora adjunta de Teoria da Literatura na mesma Universidade. Ela também coordena grupos de pesquisa nos quais se dedica a estudar a Literatura Negra escrita por mulheres no Brasil e nos países africanos que tem o Português como língua oficial.

Com muitas participações em eventos literários, a escritora recebeu, neste ano, o prémio de Melhor Poesia pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), uma das mais tradicionais e respeitadas instituições literárias do país. O livro premiado foi “Dia Bonito para Chover”.

Curso aborda relações entre Literatura, Arte e Direito

A Academia de Letras da Bahia realiza nos dias 27 e 28 de novembro, das 14 às 17 horas, o minicurso “ Literatura, Arte e Direito”, a cargo do professor e acadêmico Nelson Cerqueira. O curso foi programado em duas etapas: no primeiro dia, o palestrante abordará o tema “ A Ficção no Texto Jurídico – Poder e ponto de vista literário no Direito”. Já no dia 28, o tema será “Texto Literário e Texto Jurídico: aproximações” e ainda “ Imagens do direito da mulher em Paixao segundo GH, de Clarice Lispector, em Auto da Fé e Auto da Prisão”, Gil Vicente. Informações e inscrições: www.even3.com.br/literaturaarteedireito

ALB realizou homenagem a Nello Avella

A Academia de Letras da Bahia na Itália, promoveu na última terça-feira, dia 6 de novembro, uma palestra da escritora Antonella Rita Roscilli sobre o trabalho e a trajetória do professor italiano Nello Avella, que dedicou boa parte de sua vida para enriquecer os laços culturais entre Italia e Brasil.

Antonella Roscili lembrou a carreira de Avella, falecido em 2017, e sua atuação como professor de Literatura Portuguesa e Brasileira na Facoltà di Lettere e Filosofia da universidade de Roma “Tor Vergata”. Ele também foi professor titular da Cátedra Agustina Bessa-Luís, criada na mesma Universidade pelo Instituto Camões (Lisboa) e professor visitante em várias universidades brasileiras, a exemplo da UERJ (Universidade do Estado de Rio de Janeiro).

Encontro com a poeta Livia Natália na Academia de Letras da Bahia

A Academia de Letras da Bahia recebe em sua sede a premiada autora Lívia Natália Santos, uma das maiores expressões da poesia contemporânea baiana, para falar sobre sua obra e trajetória. O encontro, aberto ao público, acontecerá no dia 14 de novembro, às 17h.

Livia Natália de Souza Santos nasceu em Salvador, Bahia, em 25 de dezembro de 1979. Mestre e Doutora em Teorias e Crítica da Literatura e da Cultura pela Universidade Federal da Bahia, a autora é hoje professora adjunta de Teoria da Literatura na mesma Universidade. Ela também coordena grupos de pesquisa nos quais se dedica a estudar a Literatura Negra escrita por mulheres no Brasil e nos países africanos que tem o Português como língua oficial.

Lívia Natália considera fazer poesia como a sua missão afetiva primordial. Em seu trabalho, ela aborda também a vivência no Candomblé e temáticas relativas à relação da mulher negra com seu corpo, cabelos e todos os signos étnico-raciais que atravessam, ela tem subvertido conceitos e reinventado modos de ser.

Entre os eventos literários do qual participou destacam-se a Festa Literária Internacional de Cachoeira, a Bienal do livro da Bahia, o Lançamento oficial do livro Água Negra no Solar Cunha Guedes e o Festival Latinidades. Para a escritora Conceição Evaristo, “A poesia de Lívia Natália suavemente nos sugere um retorno às maternais correntezas, fluído espaço original, lugar concreto em que um corpo se solidifica.”.

PUBLICAÇÕES

Obra Individual

Água negra. Salvador: EPP, 2011. (poesia).

Correntezas e outros estudos marinhos. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2015. (poesia).

Água negra e outras águas. Salvador: EPP, 2016. (poesia).

Dia bonito pra chover. Rio de Janeiro: Malê, 2017. (poesia).

Sobejos do mar. Salvador: EPP; Caramurê Publicações, 2017. (poesia).

As férias fantásticas de Lili. São Paulo: Ciclo Contínuo, 2018. (infantojuvenil).

Antologias

Coletânea de Literatura Feminina Negra Louva Deusas. Organização de Louva Deusas. São Paulo: [s.n.], 2012.

Ogum’s toques negros: coletânea poética. Organização de Guellwaar Adún, Mel Adún e Alex Ratts. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2014.

Revista Palmares. Brasília, Ano x, v. 8, n.1, p. 85-86, Novembro de 2014.

Não ficção

A pedagogia franqueada; Judith Grossmann e a cena Teórico-crítica do PPGLL do Instituto de Letras. 2008. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

A pedagogia da ausência e outras ensinanças: Judith Grossmann e a cena da escritura. 2005. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

Dona flor a fiandeira nos silêncios: a dialética do amor e da moral como estratégia de sub-versão da castração. In: Praxis, Salvador, v. 4, 2006.

As filigranas da dor em “Contos cruéis de guerra”, de Ibéa Atondi. In: Independência (FDJ), v. 1, p. 67-74, 2007.

“Dona Flor e seus dois maridos”: a dialética do amor como estratégia para a subversão da castração. In: Quinto Império, Salvador, v. 2, p. 105-120, 2007.

A lírica menor: por uma Teoria da Literatura das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. In Crítica Cultural, v. 5, p. 219-231, 2010.

A violência como devir-sujeito em Albert Camus, José Padilha e Clarice Lispector. In: A Cor das Letras, Feira de Santana, UEFS, v. 11, p. 31-47, 2010.

Onde faltar a tolerância, que sobreviva o respeito. In: A tarde, Salvador/Bahia, 21 jan. 2011.

Os blogues como cena bioficcional na formação da literatura baiana contemporânea. In: Texto Digital, Rio de Janeiro, UERJ, v. 7, p. 113-130, 2011.

Poéticas da Diferença: A representação de si na Lírica Afro-feminina. In: A Cor das Letras, Feira de Santana, UEFS, v. 12, p. 105, 2011.

O estrangeiro e o estranho na cena da diferença em Camus e Clarice Lispector. In: OLIVEIRA, Humberto de; ABOMO-MAURIN, Marie-Rose. (Org.). Poéticas da alteridade. Feira de Santana: EduEFS, 2011. v. 1, p. 175-186.

A lírica menor: por uma Teoria da Literatura das Literaturas africanas de Língua portuguesa. In: SANTOS, José Henrique de Freitas; Ricardo RISO. (Org.). Afro-rizomas na diáspora negra. Rio de Janeiro: Kitabu, 2013, v. 1, p. 89-102.

Múltiplas Paragens do corpo intelectual: Poéticas da diferença em Mel Adún, Ana Paula Tavares e Esmeralda Ribeiro. In: SANTOS, José Henrique de Freitas; RISO, Ricardo. (Org.). Afro-rizomas na diáspora negra. Rio de Janeiro: Kitabu, 2013. v. 1, p. 143-162.

Meu pai não montava a cavalo, nem ia para o campo: algumas questões sobre a formação da escritora e do leitor negro no Brasil contemporâneo. In: SILVA, Cidinha da (Org.). Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2014, p. 70-80.