Acadêmico Cyro de Mattos tem livro publicado na Itália

O livro de poemas do acadêmico Cyro de Mattos, Poesia Brasileira da Bahia, foi traduzido na Itália no início de agosto pela Aracne Editora, e lançado no país com o título de “Poesie Brasiliene della Bahía”. O imortal alcança a marca de onze livros publicados por várias editoras na Europa: quatro em Portugal,  quatro na Itália, um na França, um na Alemanha e um na Espanha.  Além disso, o escritor tem contos e poemas editados em Portugal, Itália, França, Rússia, Espanha, Estados Unidos, Dinamarca e México.

“A poesia de Cyro de Mattos é dotada de amplo horizonte histórico e existencial, articulada em lúcido espaço lírico, em que evoca o mistério e a epopeia brasileira com grandes camadas sugestivas”, elogiou Graziela Corsinovi, presidente do júri do Prêmio Internacional de Literatura Maestrale Marengo d`Oro, concedido à Cyro de Mattos em 2006.

 

 

Anúncios

Colégio de Psicanálise da Bahia homenageia centenário da ALB

O Colégio de Psicanálise da Bahia, em homenagem às comemorações do centenário da Academia de Letras da Bahia, realizou, no dia 01 de setembro (sexta-feira), no Palacete Góes Calmon, sede da ALB, um encontro com estudiosos do famoso método terapêutico. A discussão foi organizada pela imortal e também psicanalista Urânia Tourinho Peres.

Os assuntos debatidos envolveram desde o pensamento de Sigmund Freud, criador da psicanálise, passando pelo Nobel de Literatura, o modernista irlandês Samuel Beckett, até a escrita contemporânea do aclamado literário português Valter Hugo Mãe, autor de “A Desumanização”, que apresenta em seu texto características associados ao luto e à melancolia. “A reunião dessas duas instituições reverencia a letra na sua dimensão de escuta e na sua dimensão de escrita”, disse a acadêmica Urânia Peres.

Participaram da mesa redonda nomes conhecidos como Carlota Ibertis, Joyce Bacelar, Regina Sarmento, Sérgio Fernandes, Suely Aires e Thereza Ávila Coelho, que fizeram leituras ao público dos seus respectivos trabalhos associados à psicanálise.

 

Exibição de documentário reacende discussão sobre preservação do Centro Histórico de Salvador

A exibição do documentário E a Igreja da Sé?, da artista plástica Jacira Oswald, reacendeu a discussão em torno da preservação do Centro Histórico de Salvador (BA). Lançado na última quinta-feira (24.08), na sede da Academia de Letras da Bahia, o filme mostra a história desta que foi a primeira grande catedral construída na capital baiana, servindo como ponto de resistência para invasores à época do período colonial, a exemplo dos holandeses.

Construída durante os séculos XVII e XVIII, sendo derrubada em 1933, após reurbanização do Centro Histórico de Salvador, a queda da Sé deixou lacunas culturais ainda hoje sentidas pelos baianos. “É uma ferida que permanece aberta. Junto com a Sé, foram derrubados outros dois quarteirões que mudaram completamente a paisagem do local. A praça que foi construída onde ela situava-se continua sem identidade. Nunca se constituiu uma lugar enquanto espaço de permanência”, disse o arquiteto Nivaldo Andrade Jr., ao lembrar as inúmeras tentativas dos governos de revitalizar a região, sem sucesso.

À época maior bispado e arcebispado da Igreja Católica, a Igreja da Sé era ponto de referência para quem chegava à Baía de Todos os Santos, encontrando-se na parte alta da cidade, no entorno onde hoje está localizada a Cruz Caída, famoso ponto turístico de Salvador. “Esse documentário evidencia com leveza o que foi uma agressão a um dos nossos maiores patrimônios históricos; o coração do Brasil colonial. O filme é uma enxurrada de água, não no sentido do que já foi destruído, mas para alertar os jovens sobre a importância de se preservar”, revelou Francisco Sena, historiador e acadêmico da ALB.

Após destruição da Sé, a Catedral Basílica Primacial São Salvador, situada no Largo do Terreiro de Jesus, no Pelourinho, tornou-se a Arquidiocese da capital, moradia do arcebispo metropolitano e primaz do Brasil dom Murilo Krieger. “Lembrar-se da Sé é um vazio que fala por si só”, lamentou Urânia Peres, imortal da Academia de Letras da Bahia. A inciativa de apresentar o documentário partiu do poeta e confrade Fernando da Rocha Peres, que convidou também para a discussão os arquitetos Lourenço Mueller e Paulo Ormindo, este último imortal da instituição literária.

 

 

 

Academia de Letras da Bahia realiza discussão sobre psicanálise


Como parte das comemorações do centenário da Academia de Letras da Bahia, a instituição literária, em parceria com o Colégio de Psicanálise da Bahia, promove, no dia 01 de setembro (sexta-feira), às 17h, um encontro com renomados especialistas da área. Dentre os nomes confirmados estão Carlota Ibertis, Joyce Bacelar, Regina Sarmento, Sérgio Fernandes, Suely Aires, Thereza Ávila Coelho e a imortal Urânia Tourinho Peres. A sessão é aberta ao público.

ALB promove conferência para discutir aspectos da literatura contemporânea

O professor universitário, pesquisador e escritor Evando Nascimento fará uma conferência, no dia 04 de setembro (terça-feira), às 17h, na Academia de Letras da Bahia. Intitulada O conceito de literatura hoje: desdobramentos, o debate se propõe a revisar algumas dessas conceituações e consequentemente a elaborar um conceito plural de discurso literário para o século XXI, numa perspectiva teórica, crítica e histórica.

No dia 5 (terça-feira), às 16h, o estudioso se reunirá numa mesa redonda com o imortal e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Aleilton Fonseca, e os acadêmicos do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura da Universidade Federal da Bahia (PPGLitCult/Ufba), Antonia Herrera, Cássia Lopes e Evelina Hoisel, esta última exercendo atualmente o cargo de presidente da ALB. Após as discussões, haverá uma sessão de autógrafos com o conferencista. Os eventos são abertos ao público.

Acadêmico Cyro de Mattos homenageia escritor Caio Porfírio Carneiro, falecido em 2017

O acadêmico Cyro de Mattos escreveu um artigo em homenagem ao escritor cearense Caio Porfírio Carneiro, falecido em abril deste ano. A quem se refere como “um mestre do conto brasileiro”, Cyro de Mattos revela que mesmo vivendo desde 1952 em São Paulo, o literário nunca esqueceu a sua condição de nordestino. “Portador de agudo sentimento do mundo, alcança a síntese do discurso com a precisão da palavra capaz de revelar o drama amplo no instante súbito”, diz uma dos trechos do texto, publicado neste link. 

 

Advogado Fredie Didier Jr. é eleito para a Academia de Letras da Bahia

O advogado  Fredie Didier Jr. é o mais novo imortal da Academia de Letras da Bahia. Conhecido por sua obra voltada ao direito processual civil, ele foi eleito nesta quinta-feira (17.08) pelos acadêmicos da agremiação para o lugar do monsenhor Gaspar Sadoc, falecido em 2016. Didier ocupará a Cadeira nº 10. A solenidade de posse será marcada ainda este ano pela diretoria da ALB.
“Darei o melhor de mim para que este centenário sodalício permanece como farol das letras e da inteligência baiana”, disse ele durante a sessão que o elegeu. Dentre os seus trabalhos, participou recentemente da revisão do Novo Código de Processo Civil.

  • Para saber informações sobre o currículo de Fredie Didier Jr., clique aqui.