70 anos de Capinan

70 anos de Capinan

Poetas são criaturas que conhecem, como ninguém, o endereço do nada. E, quando se lhes dá na telha (ou na pele), vão lá e retiram palavras, imagens e metáforas para falar de mundos que a nossa impotência verbal não traduz. E é dos poetas que tomamos as palavras emprestadas quando sentimos que as nossas não conseguem chegar às estrelas.

Pois bem, neste sábado, dia 19 de fevereiro, estará completando inacreditáveis 70 anos um dos maiores e mais importantes poetas da cultura brasileira contemporânea: José Carlos Capinan.

Foi de Capinan que você, leitor(a), tomou as palavras precisas para expressar aquela alegria indizível de se descobrir vivo e feliz. Ali, você cantou: “cores do mar, festa do sol/ vida é fazer todo sonho brilhar, ser feliz/ em seu colo dormir e depois acordar/ sendo o seu colorido brinquedo de papel machê…” Lembra?

Ou, no caso de você já ter passado dos trinta (rsrsrs!) e ter vivido com ardor juvenil o sonho de alguma revolução igualitária em que os países não tivessem fronteiras, nem divisões sociais, o seu coração “guevariano” certamente deve ter cantado “Soy loco por ti, América/ Tenga como dolores a espuma blanca de Latinoamerica/ Y el cielo como bandera”.

Ou, ainda no seu caso, caro leitor, ao despir a mulher amada com olhos de poesia e desejo, e não encontrando palavras à altura para o seu plano de sedução, deve, sim, ter pedido ajuda a Capinan e cantado no ouvido da musa: ”Moça bonita, o seu corpo cheira ao botão de laranjeira/ Eu também não sei se é/ Imagina a minha sina é um cheiro de café/ Ou é só cheiro feminino/ É só cheiro de mulher”.

E assim, dessa maneira, Capinan foi tomando conta de nossas vidas, convidando-nos a “penetrar surdamente” no reino de suas palavras e nos entregando a chave de belas e invulgares emoções. Por isso, onde você estiver neste sábado, agradeça ao deus da poesia por ter nos dado esse “caboco do mato” que vem enchendo nossa vida de palavras, sonhos e luz.

*Jorge Portugal – Educador e compositor (publicado em Opinião de A Tarde, 15.2.2011)

Abaixo trecho da participação de José Carlos Capinan no projeto Com a Palavra o Escritor, na Fundação Casa de Jorge Amado, em 11/04/1997: