Edivaldo Boaventura vai doar acervo pessoal com 5 mil livros para universidade

O educador Edivaldo Boaventura vai doar para a UNEB o acervo de sua biblioteca pessoal, que tem cerca de cinco mil livros.

A doação foi anunciada por Edivaldo durante visita ao reitor Lourisvaldo Valentim, na tarde de hoje (13), no Gabinete da Reitoria, Campus I, em Salvador (na foto home, com Lídia Boaventura).

Além dos livros, o educador irá ainda presentear a universidade com um quadro artístico, composto de um mosaico de azulejos, que tematiza a Independência do Brasil.

Edivaldo visitou a Reitoria para agradecer a Valentim e aos gestores da instituição por ter recebido o título de doutor honoris causa — mais importantes honraria acadêmica da UNEB — em solenidade ocorrida no último dia 4.

“Sinto-me muito honrado pela homenagem que a comunidade da UNEB me prestou com essa honraria. Eu sempre digo que não gratificar é punir pelo esquecimento, pelo silêncio. E vocês sabem como não punir, não esquecer”, pontuou o educador.

Diretor-geral do jornal A Tarde, escritor e membro da Academia de Letras da Bahia (ALB), Edivaldo Machado Boaventura foi idealizador, fundador e primeiro reitor da UNEB em 1983.

Biblioteca central reformada e ampliada

A cerimônia de doação do acervo de cerca de cinco mil livros do novo doutor honoris causa da UNEB deve acontecer no próximo mês de setembro.

Na ocasião serão entregues as obras de reforma e ampliação da Biblioteca Professor Edivaldo Machado Boaventura, que é também conhecida como biblioteca central, localizada no Campus I.

Durante a visita de Edivaldo, o reitor Valentim adiantou que a administração central da UNEB está estudando criar novas premiações e homenagens àqueles que contribuem e prestam relevantes serviços para a universidade.

“Nas comemorações dos 30 anos da UNEB — que iniciamos este mês com a outorga do título ao professor Edivaldo e vai se prolongar durante todo o ano de 2013 —, queremos confeccionar cerca de mil medalhas de mérito, para laurear pesquisadores, professores, funcionários, estudantes e parceiros da UNEB”, adiantou Valentim.

Também participaram do encontro com o educador a chefe de gabinete da Reitoria, Lídia Boaventura (filha de Edivaldo), os pró-reitores de Planejamento (Proplan), Luiz Paulo Neiva, e de Administração (Proad), Durval Uzêda, o diretor da Unidade de Desenvolvimento Organizacional (UDO), Benjamin Filho, os assessores especiais (Assesp) da Reitoria Zita Guimarães e Luiz Carlos dos Santos, a gerente de gestão de currículo acadêmico da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), Dayse Lago, e o assessor de Comunicação (Ascom), Toni Vasconcelos.

Fonte: UNEB

Roberto Santos fala sobre Academia de Ciências na ACB

Roberto Santos

Roberto Santos

Um dos gestores públicos mais elogiados da história recente da Bahia, o ex-governador Roberto Santos foi o convidado especial da Reunião da Diretoria da Associação Comercial da Bahia (28/06), quando falou sobre a Academia de Ciências da Bahia, entidade da qual é presidente.

Acompanhado pelo vice-presidente, Edivaldo Boaventura, e também pelo secretário executivo, Álvaro Almeida, o palestrante abordou, principalmente, os desafios do ensino superior e técnico na Bahia e no Brasil, traçando um perfil histórico desde a chegada da Família Real Portuguesa, em 1808, até os dias atuais.

Saudando o convidado, o presidente da ACB Marcos afirmou que o ex-reitor da Universidade Federal da Bahia e também ex-ministro de estado “como governador, foi um dos mais importantes da história contemporânea, responsável pela construção da maior parcela de obras de infraestrutura, como o Polo Petroquímico de Camaçari, Centro de Convenções, Museu de Tecnologia e todos os equipamentos do Parque Metropolitano de Pituaçu. Roberto Santos fez mais: construiu 33 Centros Sociais Urbanos, entre outras muitas realizações”.

INÍCIO NA DÉCADA DE 1950

O convidado disse que a prática de pesquisa no Brasil é uma atividade recente, com início entre as décadas de 30 e 40. Apontou a década de 1950 como o início da transição entre a estagnação agroexportadora e os primeiros sinais de desenvolvimento industrial no Brasil.

Nesta década, o Brasil ganhou também uma de suas mais importantes instituições de pesquisa ainda em atividade. Com a implantação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico, segundo apontou o ex-governador Roberto Santos, houve um grande avanço da economia, ancorado pela transferência de tecnologia.

Roberto Santos contou ainda que o Brasil vem dando, desde aquela época, saltos consideráveis na educação. Sua análise é que existe um crescimento quantitativo, porém, com grande déficit qualitativo.

A Academia de Ciências da Bahia (ACB) foi instalada em 1º de maio, com o apoio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) e do governo da Bahia, através da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Conta com 43 membros fundadores, entre eles reitores, inventores, cientistas e pesquisadores, e tem como objetivo estimular a pesquisa em ciência e tecnologia, além de promover a interação entre cientistas locais e entidades nacionais e internacionais.

ACB